Pesquisa aponta avanço do multicloud na América Latina

0
62

A F5 anuncia os resultados da pesquisa de 2020 sobre a maturidade da América Latina em relação ao uso de aplicações de missão crítica. O Relatório Anual do Estado dos Serviços das Aplicações LATAM foi feito a partir de entrevistas com 198 líderes de segurança e TI do Brasil, México, Argentina, Colômbia e Chile.

As aplicações desempenham um papel fundamental para todas as empresas que avançam em direção à economia digital. Sua missão é ajudar as organizações a agilizar, aumentar a eficiência e entregar a melhor UX (user experiencie) a clientes e colaboradores digitais. As aplicações que permitem o desenvolvimento de negócios não se limitam estritamente àquelas que suportam as vendas – estas representam apenas 45% do portfólio de aplicações de uma organização. Há, também, aplicações de uso interno, voltados à melhoria da produtividade, processos departamentais etc. Essas aplicações internas são essenciais para a digitalização dos processos de negócios da organização.

À medida que as atividades de negócios digitais amadurecem, as empresas usuárias procuram combinar serviços digitais de setores ou segmentos anteriormente desconectados.

Esse movimento insere-se na tendência da transformação digital e acaba gerando novos ecossistemas digitais essenciais para suportar o crescimento dos negócios. Os líderes de segurança e TI da América Latina entrevistados para a pesquisa da F5 apontam que o uso da nuvem, automação, orquestração e análise de ameaças em tempo real serão as principais tendências estratégicas para o período os próximos cinco anos.

O estudo também mostra que 87% das organizações estão em processo de transformação digital. Nove em cada 10 organizações na América Latina estão trilhando jornadas de transformação digital.

De acordo com o levantamento, 77% das organizações estão automatizando as operações de rede para aumentar a eficiência.

Não é novidade que, visto que os principais motores da transformação digital são a otimização de TI e dos processos de negócios, a maioria das organizações na América Latina estão automatizando suas operações de rede.

As ferramentas favoritas para a automação de rede continuam sendo soluções proprietárias da VMware (43%) e Cisco (37%), seguidas por ferramentas de código aberto (31%) e CI / CD (27%).

Em relação ao uso de ferramentas de código aberto, as organizações na América Latina estão consideravelmente à frente de suas contrapartes globais (23%). O favorito de CI / CD, Jenkins, conquistou impressionantes 20% da base de usuários de automação de rede na América Latina. O uso do repositório como parte do kit de ferramentas de automação permanece baixo, o que não é surpreendente, pois essa tecnologia tende a ser considerada uma ferramenta de desenvolvimento.

Transformação digital, plataformas em nuvem e arquiteturas modernas estão impulsionando a adoção de novos serviços de aplicações. Para 81% dos entrevistados pela F5, a segurança continua a ser sua principal prioridade. Isso vale tanto para aplicações rodando on-premises como na nuvem pública. Essas aplicações exigem serviços modernos para atender aos requisitos de escala, segurança e disponibilidade.

Pelo terceiro ano consecutivo, 66% dos entrevistados na América Latina concordaram que a pior coisa que eles poderiam fazer é implantar uma aplicação sem serviços de segurança. Oitenta e três porcento das organizações ainda atribuem a responsabilidade primária pelos serviços de aplicações aos times de TI, com mais da metade mudando para equipes de DevOps.

Os times de operações e infraestrutura de TI continuam a assumir a responsabilidade pela seleção e implementação de serviços de aplicações. No entanto, conforme as organizações expandem seus portfólios de aplicações e passam a adotar contêineres nativos da nuvem, os times DevOps estão se tornando mais responsáveis pelos serviços de aplicações.

Com todo o burburinho em torno do DevOps e os movimentos subsequentes de "Ops", é irônico que o único grupo deixado de fora seja o de operações de TI.

Os pontos investigados pela F5 deixaram duas questões claras: para as organizações, oferecer as melhores e mais seguras UXs as ajudará a atrair e reter clientes. Para que isso aconteça, a agilidade é fundamental para desenvolver ou adaptar aplicações que respondam rapidamente às novas oportunidades de negócios.

Deixe seu comentário