Microsoft firma acordos com Renault-Nissan e Adobe para impulsionar serviços de nuvem

0
0

Como parte da estratégia para impulsionar seu negócio de nuvem, a Microsoft anunciou nesta segunda-feira, 26, durante sua conferência para empresas e profissionais de TI Ignite, em Atlanta, nos EUA, dois importantes acordos de parceria. O primeiro deles foi com a aliança Renault-Nissan, por meio do qual ela será fornecedora de serviços de computação em nuvem para os carros fabricados pelas marcas. O outro é um acordo com a Adobe que fará da Microsoft Azure sua plataforma de nuvem "preferida" para algumas ofertas a clientes corporativos.

Famosa por seu software de edição Photoshop e o Adobe Reader, programa leitor de PDF mais popular do mercado, a Adobe irá deslocar os clientes executem seus produtos corporativos Adobe Marketing Cloud, Adobe Creative Cloud e Adobe Document Cloud para o Azure. A Microsoft, por sua vez, fará o Adobe Marketing Cloud o "serviço de marketing preferido" para a sua oferta de gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) na nuvem Dynamics 365.

A Adobe, porém, continuará a trabalhar com a Amazon Web Services (AWS) da Anmazon.com, mas planeja colocar Azure no centro de seus desenvolvimentos de computação em nuvem daqui pra frente. "Nós vamos concentrar nossa inovação e esforços no Azure", disse o CEO da Adobe, Shantanu Narayen.

As duas empresas estão colaborando em integrações de dados a fim de que garantir que os clientes possam trabalhar facilmente em aplicações Adobe Marketing Cloud e Dynamics 365, alavancando a inteligência artificial, a aprendizagem automática e analítica avançada. Os clientes poderão usar essas integrações em soluções Adobe e Microsoft a fim de criar novas vendas orientadas por dados e capacidades de marketing.

Os termos financeiros do acordo não foram revelados. No último trimestre, a Adobe, que transformou seu negócio nos últimos anos para se concentrar em serviços de nuvem, registrou US$ 1,5 bilhão em vendas.

Carros autônomos

Já o acordo com a Renault-Nissan é parte da estratégia das duas montadoras de automóveis para avançar no desenvolvimento de veículos conectados. A Microsoft vai construir a infraestrutura de nuvem para as duas companhias, a qual irá hospedar dados de navegação e permitirá aos motoristas preverem, por exemplo, o consumo de combustível e monitorar seus carros remotamente, disse a fabricante de software em um comunicado nesta segunda-feira, 26.

A Microsoft também irá ajudar a Renault e a Nissan desenvolverem interfaces de usuário para suas marcas. Os veículos com os novos recursos poderão chegar ao mercado já em 2018, em mais de dez modelos. A previsão é que dois anos depois, a tecnologia de condução autônoma já esteja disponível nos carros das marcas.

Os acordos de parceria entre empresas de tecnologia e montadoras de carros estão florescendo, em decorrência da mudança de foco destas últimas para tecnologias de condução autônoma e digitalização. Na semana passada, a Renault e a Nissan disseram que estão adquirindo, por meio da aliança que formaram a desenvolvedora francesa de software Sylpheo.

Em março, a General Motors anunciou a compra da fabricante de software para condução autônoma de veículos Cruise Automation. A Fiat Chrysler Automobiles, por sua vez, fez uma parceria com o Google para desenvolver minivans autônomas, enquanto a BMW, Audi e Daimler compraram a divisão de mapas da Nokia para melhorar os seus serviços de localização, característica fundamental da tecnologia de condução autônoma.

"Os carros estão se tornando cada vez mais conectados e inteligentes, e a parceria com a Microsoft nos permitirá acelerar o desenvolvimento de tecnologias-chave necessárias para permitir cenários que nossos clientes querem e construir novos automóveis que eles sequer teriam imaginado. O nosso objectivo é tornar-se um provedor de mobilidade conectando todos por meio de uma plataforma global única", disse Ogi Redži?, vice-presidente sênior de veículos conectados e serviços de mobilidade da Renault-Nissan Alliance, ao Seeking Alpha, site especializado no mercado financeiro.

Deixe seu comentário