França desenvolve aplicativo para gerenciar crise da Covid-19

0
0

A exemplo de vários países, a França convocou empresas privadas para desenvolver o projeto StopCovid, que visa fornecer às autoridades de saúde francesas uma ferramenta digital para ajudar a gerenciar a emergência da Covid19.

A operadora de telecom Orange é responsável pela distribuição do aplicativo e sua interoperabilidade, enquanto o governo francês responsabilizou a Inria pelo gerenciamento operacional do projeto de pesquisa e desenvolvimento do StopCovid, que reúne especialistas dos setores público e privado.

Também faz parte do projeto a Agência Nacional de Segurança Cibernética da França (ANSSI), responsável pela segurança cibernética;  Capgemini, pela arquitetura e desenvolvimento de back-end; SecNumCloud, que cuida da infraestrutura de dados qualificada;  Inserm, para supervisionar os modelos de saúde; Lunabee Studio, para o desenvolvimento de aplicativos móveis;  Santé Publique France para a integração e coordenação do aplicativo na estratégia global de rastreamento de contatos.

A Dassault Systèmes utilizou seus aplicativos de simulação Simulia PowerFLOW para desenvolver uma simulação computacional de um espirro para fornecer informações sobre a física do fluxo de um espirro. A solução já é amplamente utilizada nas indústrias aeroespacial e automotiva para gerar uma simulação dinâmica do fluxo de fluidos e ar.

As diretrizes foram definidas pelo governo francês nesses principais objetivos:

• O uso do aplicativo StopCovid como parte da estratégia global para gerenciar a crise de saúde e o monitoramento epidemiológico. O projeto StopCovid fornece às instituições de saúde pública um apoio à tomada de decisão para a fase de desconfiança.

• Cumprimento estrito da estrutura de proteção de dados e privacidade em nível nacional e europeu, conforme definido em particular pelas leis francesas e pela Comissão Europeia para aplicativos de monitoramento de proximidade.

• A transparência abrange a disseminação, sob uma licença de código aberto, do trabalho realizado dentro da estrutura do projeto. Isso fornece garantias em termos de algoritmos transparentes, código aberto, interoperabilidade, auditabilidade, segurança e reversibilidade das soluções. Consequentemente, a solução poderia funcionar como blocos de construção básicos para qualquer país que desejasse usá-los.

• Defender os princípios de soberania digital para o sistema público de saúde, como controle das opções de saúde pela sociedade francesa e europeia, proteção e estruturação de ativos de dados de saúde para orientar a resposta à epidemia e acelerar a pesquisa médica.

O projeto será temporário e sua duração corresponde a duração do tempo de gestão da epidemia de Covid-19. Ele é conduzido sob a supervisão do estado e gera interações regulares com autoridades de controle independentes, notadamente a CNIL (Comissão Nacional de Informações e Liberdades – Autoridade Francesa de Proteção de Dados). Envolve também o DINUM (Direção Interministerial de Digital).

Deixe seu comentário