Publicidade
Início Notícias Negócios Broadcom vai reformular política de patentes da Qualcomm assim que aquisição for...

Broadcom vai reformular política de patentes da Qualcomm assim que aquisição for confirmada

0
Publicidade

A desenvolvedora de semicondutores Broadcom ofereceu recentemente US$ 103 bilhões para a compra da Qualcomm e anunciou que, caso o negócio se concretize, fará grandes mudanças na forma com que a fabricante lida com suas patentes, que são uma grande fonte de renda da fabricante de chipsets e também de processos judiciais, como os que tem enfrentado contra órgãos reguladores e clientes como a Apple.

As licenças de patentes representaram cerca de US$ 5,1 bilhões em lucros antes de impostos para a Qualcomm em seu ano fiscal de 2017, quase duas vezes o seu negócio de chipsets, que chegou a US$ 2,7 bilhões em lucros antes de impostos. O desafio para a Broadcom será fazer com que as mudanças no programa não atrapalhem o orçamento de pesquisa e desenvolvimento anual da fabricante, de US$ 5,5 bilhões, visto por analistas como um dos principais objetivos.

Segundo fonte ligada à Broadcom, que conversou com o canal CNBC, a intenção é manter a economia do negócio de licenciamento, ajustando entre os preços da patente e dos chips. Renegociar contratos com grandes clientes também é um dos objetivos.

A necessidade de revisar o programa de patentes da Qualcomm é motivado pelos conflitos, alguns judiciais, que a empresa enfrenta com seus clientes. A companhia exige que os fabricantes de celulares paguem uma taxa de licença de propriedade intelectual além de pagar pelos chips.

Para os analistas, há três opções para a Broadcom resolver este problema: vender ou criar uma spin off da unidade de licenciamento, mudar para um modelo que cobre uma taxa fixa ou simplesmente colocar um preço maior nos chips, usando as patentes como alavancagem. O mercado avalia que o mais simples seria criar a spin off e oferece-la a compradores financeiros ou acionistas da Qualcomm, mas o seu valor seria difícil de avaliar.

Porém, tudo depende da aquisição da Qualcomm pela Broadcom. A fabricante de chipsets rejeitou até agora a proposta por acreditar que a oferta subestimava o valor da empresa e que órgãos reguladores barrariam o negócio.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile