56% das fintechs afirmam já ter recebido algum tipo de investimento, diz pesquisa do Programa de Aceleração Visa

0
17

De acordo com o Mapa das Fintechs, estudo anual realizado pela Visa para mostrar o perfil das startups inscritas no Programa de Aceleração Visa, 56% das empresas afirmaram já ter recebido algum tipo de aporte. Além disso, 68,8% revelaram ter pivotado – mudado de segmentação ou de solução – ao menos uma vez o modelo de negócio desde a criação da empresa. Em 2019, esse número era de 77%. Na sua terceira edição, o estudo traz informações sobre faturamento, dados sobre investimentos, potencial de internacionalização, obstáculos enfrentados e detalhes sobre os profissionais que trabalham nas 219 startups inscritas para a edição de 2020 do Programa.

Ainda sobre pivotagem, o recorte mostra que 17,2% das startups mudaram duas vezes, 9,6% três vezes e 4,3% afirmaram ter pivotado mais de quatro vezes, o que pode ser considerado comum nesta área, já que muitas empresas mudam seus negócios conforme demandas, oportunidades de mercado, além de adaptações necessárias por conta da pandemia de COVID-19. A maioria das startups que se inscreveu no Programa (80,3%) tem entre um e três anos de existência, e 19,1% tem menos de um ano de idade. 

Em comparação ao Mapa das Fintechs Visa de 2019, é possível notar uma maior diversidade de startups que se inscreveram no Programa de Aceleração Visa. As voltadas para o setor de pagamentos (22,8%), ainda maioria em 2020, apresentaram um pequeno aumento em relação ao ano anterior, quando eram 20,6% do total. Destacam-se ainda nesta edição áreas como varejo (17,3%), TI (15,9%), analytics (13,6%), mobilidade urbana (10,9%), inteligência artificial (5,9%), blockchain (5,4%), machine learning (3,6%), IoT (3,1%) e Risktech (1,3%). Dessas, varejo, analytics, IoT e Risktech não tinham aparecido antes. 

Investimentos e faturamento 

Quando o assunto é investimento, a maioria dos respondentes (56%) afirmou ter recebido algum tipo de aporte. Já no estudo realizado no ano passado, com as startups inscritas para a edição 2019, apenas 45% afirmavam ter recebido investimento até então. 

Os valores variam: 6,6% das empresas receberam menos de R$100 mil, 38% entre R$100 mil e R$499 mil, 18,1% de R$500 mil até R$900 mil. Já 32,9% disseram ter recebido aportes acima de R$ 1 milhão. Em relação ao tempo médio que as startups levaram para levantar estes investimentos, 65% afirmaram ter demorado de um até três meses, 30,3% de quatro até seis meses e 4,3% alegaram ter esperado até um ano. Já na edição de 2019 9,2% das empresas receberam até R$ 50 mil, 44,6% entre R$ 100 mil a R$ 500 mil, 38,5% receberam de R$ 500 mil a R$ 2 milhões e, 7,7% disseram ter recebido aportes acima de R$ 2 milhões até então. 

Sobre faturamento, 39,7% alegaram ganhar mais de R$500 mil, 30,1% até R$30 mil e 29% de R$30 mil até R$499 mil. Enquanto isso, apenas 1% das startups alegou faturar mais de R$1 milhão mensalmente. Já no ano passado a maioria das respondentes afirmou que seus ganhos mensais variavam de R$ 5 a 40 mil (49%), 21% entre R$ 100 mil a 500 mil por mês e 11% ganhavam até R$ 5 mil mensais, na época. 

Obstáculos 

Em relação aos principais desafios citados pelas startups, questões relacionadas a capilaridade – prospecção de novos clientes e a ampliação dos canais de distribuição e de atendimento – (26,7%) aparece em primeiro lugar, seguido por problemas relacionados ao mercado (22%) e dificuldades em encontrar profissionais capacitados para compor o time (19,7%). Burocracia (11,6%), regulamentação (10,4%) e concorrência (9,3%) também foram pontos mencionados neste quesito. Em 2019, os obstáculos mais citados foram sobre dificuldade em obter clientes (14%), questões relacionadas à dinheiro (14%) e problemas com a regulamentação (13%).  

Times

Questionadas sobre suas equipes, as startups responderam sobre número de pessoas, idade de seus funcionários e gênero. Cerca de 63,8% delas possuem menos de 10 funcionários, 27,6% das startups têm até 50 colaboradores e apenas 5,3% possuem de 50 a 100 pessoas no time. As idades dos times variam: 72,6% têm funcionários com até 35 anos e 14,2% possuem uma equipe mais jovem, com idade máxima de 25 anos. Os homens ainda são maioria nas equipes, mas 80% das startups afirmaram possuir mulheres no time. Isso demonstra um aumento na presença feminina no mercado, pois no levantamento de 2019 esse número era de 61%. 

O Mapa das Fintechs Visa traz ainda informações sobre a distribuição geográfica das startups. São Paulo continua como o estado de origem da maioria das startups e representa 52% do total. Assim como na última edição é possível notar uma abrangência no eixo das inscritas, onde se destacam estados como Rio de Janeiro (10,9%), Minas Gerais (6,8%), Rio Grande do Sul (5,9%), Paraná (5,4%) e Santa Catarina (5%). 

Em 2020, Rio de Janeiro voltou a superar Minas Gerais e foi o segundo estado com o maior número de empresas inscritas no Programa de Aceleração da empresa. Paraná e Santa Catarina caíram um pouco em relação ao ano passado, mas continuam entre os estados com mais startups inscritas. Em 2019, o estado de São Paulo concentrava 48,8% das empresas, seguido por Minas Gerais (10,5%), Paraná (9,3%), Santa Catarina (6,4%), Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, ambos com 5,2%. 

Para o estudo, foram ouvidas 219 startups que se inscreveram para participar da 4ª edição do Programa em março de 2020. Para mais informações sobre o Programa de Aceleração Visa acesse: www.visa.com.br/programadeaceleracao

Deixe seu comentário