Serpro lança plataforma de blockchain para uso pelo governo e corporações

0
0

"Para provocar uma disrupção e trazer desafios para todos nós que somos gestores e responsáveis pelo setor público". Com essas palavras a diretora-presidente do Serpro, Glória Guimarães, apresentou a plataforma Blockchain Serpro a clientes do setor público e privado.

O blockchain é uma tecnologia de validação inviolável que tem a descentralização como medida de segurança. Cria consenso e confiança na comunicação direta entre duas partes, sem o intermédio de terceiros. O protocolo é adequado para cenários que requerem privacidade e controle de identidade e permissões.

A plataforma, baseada em padrão aberto da Linux Foundation, está em teste e deve ser lançada oficialmente ao mercado – público e privado – no início de 2018, segundo informou Marco Tulio da Silva, gerente do projeto Laboratório da Tecnologia Blockchain no Serpro, durante o Blockchain Forum, organizado pela TI Inside nesta terça-feira, 28.

"Estamos disponibilizando blockchain como serviço", disse Silva. Órgãos e departamentos público, governos e municípios podem contratar o serviço na nuvem do Serpro subi-lo tanto numa rede dedicada quanto em um ambiente já existente.

Parceria

A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) é parceira no uso da tecnologia na solução Tesouro Direto (TD). "Ao mesmo tempo que a STN tem uma necessidade de negócio identificada, o Serpro tem capacidade de produção e de construção de ferramenta que o estado precisa. Existe uma lacuna que é preenchida com o blockchain", declarou o coordenador-geral de Sistemas e Tecnologia da Informação da STN, Lincoln Moreira Jorge Junior.

Automatizar o processo é apenas uma etapa de modernização do serviço público. A segunda etapa é agregar capacidade de análise e de resposta e agilidade que uma simples automação não consegue. A disrupção vem daí: o uso de uma tecnologia inovadora para fazer algo que até então não se fazia.

"O uso do blockchain no TD, vai muito além do aumento da segurança. A tecnologia vem para facilitar o cadastro e o acesso do investidor ao produto", explica Lincoln. O TD concorre com a poupança, mas o acesso aos títulos públicos é, hoje, o um dos desafios que limitam o aumento da base de investidores.

Entenda o futuro

O TD transforma o cidadão em investidor, e como investidor é preciso ter além de uma conta em banco, um intermediário, como corretoras ou bancos públicos para realização do investimento.

Hoje, um investidor que não tenha conta bancária não acessa o TD. A partir do momento que a nova tecnologia estiver funcionando, seria permitida a autenticação utilizando-se as bases do governo para conferência de reputação do investidor. Com R$ 30 e um celular qualquer cidadão poderá investir em títulos públicos.

"O mercado financeiro é conservador, como deve ser. A plataforma está pronta. A tecnologia é constantemente testada e atestada em conformidade com as melhores práticas do governo, do estado e internacionais para que não se coloque em risco o nosso investidor", explica Lincoln. Ainda é preciso ajustar os aspectos legais para lançamento do protótipo.

Deixe seu comentário