Blockchain ajuda a identificar alimentos sem glúten 

0
155

A BlockBear se une à IBM Food Trust para auxiliar pessoas com doença celíaca, assegurando o consumo de produtos que não prejudicam sua saúde
A BlockBear, companhia especializada em tecnologia Blockchain e IoT na nuvem, que desenvolve aplicativos para rastreabilidade e eficiência da cadeia de suprimentos do agronegócio, juntou-se à IBM Food Trust, um ecossistema global baseado em blockchain, para incorporar a rastreabilidade de produtos sem glúten em colaboração com a Associação Celíaca do Uruguai.

A doença celíaca é uma condição do sistema imunológico em que as pessoas não podem consumir glúten porque danifica o intestino delgado. O glúten é uma proteína que existe no trigo, cevada e centeio e também pode ser encontrada em vitaminas, suplementos, produtos para cabelos e pele, creme dental e bálsamos para lábios, entre outros. Estima-se que uma em cada 100 pessoas possa ser celíaca, embora apenas 10% delas saibam que têm a doença.

A BlockBear vai incorporar a tecnologia blockchain para compartilhar seletivamente informações importantes sobre a origem e os componentes de produtos alimentícios distribuídos no país e internacionalmente, para garantir que pessoas com doença celíaca e outros distúrbios digestivos derivados tomem uma decisão informada ao hora de comprar produtos sem glúten.

O uso da IBM Food Trust conecta com segurança os dados de toda a cadeia de suprimentos do ecossistema com confiança e transparência a cada ponto da cadeia. E, o mais importante, os consumidores finais podem confiar nos produtos que compram e comem enquanto os produtores minimizam desperdícios, fraudes e muito mais.

O plano da BlockBear é estender essa solução para outros países da América Latina e para outros segmentos de mercado. Em particular, para segmentos que têm interesse e valor especiais, sabendo exatamente o que estão consumindo, como produtos para diabéticos, veganos, orgânicos e consumidores em geral que exigem qualidade, segurança e querem conhecer a origem do que consomem.

Deixe seu comentário