Gerenciamento automatizado da nuvem faz a diferença no mundo dos negócios, dizem painelistas

0
73
 
Abrindo o segundo dia do Data Management Forum nesta quinta-feira, 29, o Painel Plataforma de Dados Habilitadas para Nuvem trouxe como foco como os aplicativos de negócios estão migrando para a nuvem, criando desafios para as práticas de gerenciamento de dados e as soluções que facilitam isso.
Conforme disse Paulo de Godoy, gerente geral da Pure Storage no Brasil é evidente o entendimento que o mundo está sendo impulsionado por dados e a forma como os gestores estão se relacionando com esse processo é que faz a diferença no mundo dos negócios.

"Houve uma mudança no enfoque que foi do produto, para os serviços e hoje se fala em SLA da TI. Devemos ter em mente que a infraestrutura é mais complexa hoje do que foi no passado, mas a realidade é mais complexa ainda. Por isso, a necessidade de se ter uma arquitetura mais abrangente", reforçou.

Como disse Godoy, o volume de dados existentes hoje nas empresas impacta a forma que o gestor lida com a sua realidade. "Tendo que fazer sempre mais com menos recursos e diante de uma realidade totalmente disruptiva que levou as empresas a transformar  as organizações, a busca por recursos tecnológicos que se atualizem e se integrem às demais soluções utilizadas para o negócio, assim como levar tudo isso para nuvem com segurança e compliance é o grande desafio do momento", disse, "Olhar para infraestrutura de forma que ela se adeque às necessidades e desafios é uma meta a ser atingida".

Elder Jascolka, country manager da Veeam Brasil, destacou a aceleração digital e os impactos da economia digital que estão ocorrendo nos negócios hoje no mundo.

Segundo pesquisas da Veeam 60% das empresas estão utilizando cloud services; 48% utilizam SaaS, com 96% das empresas acelerando investimentos na nuvem, além de um crescimento de 715% de ransomwares, no último ano. "Estes números denotam que o mercado global está evoluindo para o uso massivo da nuvem como meio estratégico de negócios e isso significa o uso do dados como matéria prima parar esta estratégia".

Elder conta ainda que do total de empresas pesquisadas 37% delas apontam falhas em back up, 34% apresentaram falhas totais e 58% falhas na recuperação dos dados demonstrando que o data protection é um dos maiores desafios na aceleração das plataformas modernas.

"Diante disso, vemos que a TI hoje é o negócio, sempre com foco na tríade pessoas, processos e tecnologia, assim o principal foco principal das organizações, e cuidar dos dados como se eles fossem a água que nos permite a sobrevivência", complementou.

Marcelo Araújo, arquiteto de soluções da Informatica, mostrou que neste contexto a terminologia usada no mercado de dado 4.0 é mais do que pertinente. "A transformação digital das organizações passa por estratégias que objetivam os clientes, a inovação e o market driven", argumentou, "Toda essa revolução digital que está invadindo as companhias é fundamental para sua sobrevivência, entretanto toda a tecnologia empregada não pode mais depender dos ciclos tecnológicos. As tendências tecnológicas devem atender às expectativas dos negócios, por isso, a cloud nativa é essencial, bem como o uso de IA", disse.

Para o executivo da Informatica, a aproximação da TI com o business ocorre se dentro das empresas existem as melhores informações para o negócio. "As empresas data driven são baseadas nos melhores dados internos e externos que precisam ser trabalhados nas boas práticas da governança, segurança e nas normas das regulamentações da privacidade", concluiu.

Deixe seu comentário