Mais de 1.000 prisões e US$ 27 milhões interceptados em massiva repressão ao crime financeiro

0
8

Uma operação coordenada pela INTERPOL de codinome HAECHI-II viu a polícia prender mais de 1.000 indivíduos e interceptar um total de quase US$ 27 milhões em fundos ilícitos, destacando a ameaça global de crime financeiro cibernético.

Decorrida ao longo de quatro meses, de junho a setembro de 2021, a Operação HAECHI-II reuniu unidades policiais especializadas de 20 países, bem como de Hong Kong e Macau, para combater tipos específicos de fraude online, como fraudes românticas, fraudes de investimento e dinheiro lavagem associada a jogos de azar online ilegais.

No total, a operação resultou na prisão de 1.003 pessoas e permitiu que os investigadores encerrassem 1.660 casos. Além disso, 2.350 contas bancárias vinculadas a receitas ilícitas de crimes financeiros online foram bloqueadas. Mais de 50 avisos da INTERPOL foram publicados com base em informações relacionadas à Operação HAECHI-II e 10 novos modus operandi criminosos foram identificados.

HAECHI-II é a segunda operação em um projeto de três anos para combater o crime financeiro cibernético apoiado pela República da Coréia e a primeira que é verdadeiramente global em escopo, com a participação de países membros da INTERPOL em todos os continentes.

A operação também viu os funcionários da INTERPOL testarem um novo mecanismo global de interrupção de pagamento – o Protocolo de Resposta Rápida Anti-Lavagem de Dinheiro (ARRP) – que se provou crítico para interceptar com sucesso fundos ilícitos em vários casos HAECHI-II.

"Os resultados da Operação HAECHI-II mostram que o aumento do crime financeiro online gerado pela pandemia COVID-19 não mostra sinais de diminuição", disse o secretário-geral da INTERPOL, Jürgen Stock.

"Também sublinha o papel essencial e único desempenhado pela INTERPOL na assistência aos países membros no combate a um crime sem fronteiras por natureza.

"Somente por meio desse nível de cooperação e coordenação global a aplicação da lei nacional pode combater efetivamente o que é uma pandemia de crime cibernético paralela", acrescentou o secretário-geral.

Como a INTERPOL pretende lançar oficialmente o ARRP no próximo ano, a unidade de crime financeiro da organização continua a trabalhar com os países membros para integrar o sistema aos canais de comunicação existentes.

Corrida contra o tempo

Longe da noção comum de fraude online como um tipo de criminalidade de nível relativamente baixo e de baixo risco, os resultados da Operação HAECHI-II mostram que grupos de crime organizado transnacional têm usado a Internet para extrair milhões de suas vítimas antes de canalizar o dinheiro ilícito para contas bancárias em todo o mundo.

Em um único caso na Colômbia, ums importante empresa têxtil foi defraudada em mais de US$ 8 milhões por meio de um sofisticado esquema de compromisso de e-mail comercial. Os perpetradores se fizeram passar pelo representante legal da empresa, ordenando a transferência de mais de US$ 16 milhões para duas contas em bancos chineses. Metade do dinheiro foi transferido antes que a empresa descobrisse a fraude e alertasse as autoridades judiciais colombianas, que por sua vez entraram em contato com a unidade de crimes financeiros da INTERPOL por meio de seu Escritório Central Nacional (NCB) em Bogotá.

Aproveitando a nova rede ARRP, canais de cooperação policial internacional foram ativados entre os escritórios da INTERPOL em Pequim, Bogotá e Hong Kong para congelar os fundos transferidos. Graças a essa nova rede, que agiliza a comunicação policial em casos de paralisação de pagamentos internacionais, mais de 94% do dinheiro foi interceptado em tempo recorde, salvando a empresa colombiana da falência.

"Interceptar o produto ilícito de crimes financeiros online antes que desapareçam nos bolsos das mulas de dinheiro é uma corrida contra o tempo e trabalhamos em estreita colaboração com a Procuradoria-Geral da República para agir da forma mais decisiva possível", disse o General Jorge Luis Vargas Valencia, Diretor-Geral da Polícia Nacional da Colômbia.

"Dado o alto nível de complexidade da coordenação com unidades de aplicação da lei e instituições bancárias do outro lado do mundo, o papel de coordenação da INTERPOL foi essencial para alcançar este resultado", acrescentou Francisco Barbosa, Procurador-Geral da Colômbia, cujo gabinete supervisionou o caso.

Em outro caso, uma empresa na Eslovênia foi enganada e transferiu mais de US$ 800.000 para contas de dinheiro na China. Mais uma vez, quando a Polícia Criminal eslovena abriu uma investigação e alcançou seus pares estrangeiros por meio da INTERPOL e outros canais, a coordenação simplificada por meio da INTERPOL NCB da China em Pequim permitiu que as autoridades locais interceptassem e devolvessem os fundos roubados à Eslovênia na íntegra.

Modus operandi

Meses de estreita colaboração entre unidades policiais especializadas em todo o mundo também geraram inteligência significativa sobre as tendências emergentes do crime financeiro online. Com base nas informações obtidas durante a Operação HAECHI-II, a INTERPOL publicou vários Avisos Roxos – alertas policiais internacionais que buscam ou fornecem informações sobre modus operandi, objetos, dispositivos e métodos de ocultação usados por criminosos. As notificações são então compartilhadas com os 194 países membros da INTERPOL para que a polícia possa trocar informações sobre métodos criminosos emergentes e estabelecer conexões entre os casos.

Um aviso roxo solicitado pela Colômbia durante a operação detalha um aplicativo móvel carregado com malware usando o nome e a marca do programa da Netflix "Squid Game". Disfarçado de produto afiliado à popular série de televisão, o aplicativo era na verdade um vírus cavalo de Tróia que, uma vez baixado, era capaz de hackear as informações de faturamento do usuário e assinar serviços 'premium' pagos sem a aprovação explícita do usuário. Embora sinalizado na Colômbia, o aplicativo também tem como alvo usuários em outros países. A operação também se beneficiou da experiência dos recursos de cibercrime da INTERPOL para ajudar os países membros a enfrentar a crescente ameaça de fraude habilitada para o ciberespaço.

"Os golpes online, como os que usam aplicativos maliciosos, evoluem tão rapidamente quanto as tendências culturais que eles exploram de forma oportunista", disse José De Gracia, Diretor Assistente de Redes Criminais da INTERPOL. "Compartilhar informações sobre ameaças emergentes é vital para a capacidade da polícia de proteger as vítimas de crimes financeiros online. Também permite que a polícia saiba que nenhum país está sozinho nesta luta. A Operação HAECHI-II mostra que podemos contra-atacar com sucesso contra essa ameaça quando agimos juntos."

Os seguintes países participaram da Operação HAECHI-II: Angola, Brunei, Camboja, Colômbia, China, Índia, Indonésia, Irlanda, Japão, Coreia (Rep. De), Laos, Malásia, Maldivas, Filipinas, Romênia, Cingapura, Eslovênia, Espanha, Tailândia e Vietnã.

Deixe seu comentário