CE investiga Apple por posição dominante no mercado de streaming de música

0
49

A Comissão Europeia comunicou à Apple da sua avaliação preliminar de que distorceu a concorrência no mercado de streaming de música ao abusar de sua posição dominante na distribuição de aplicativos por meio de sua App Store. A Comissão questiona o uso obrigatório do mecanismo de compra in-app da própria Apple imposto aos desenvolvedores de aplicativos de streaming de música para distribuir seus aplicativos através da App Store da Apple.

A Comissão também está preocupada com o fato de a Apple aplicar certas restrições aos programadores de aplicações, impedindo-os de informar os usuários de iPhone e iPad sobre possibilidades de compra alternativas e mais baratas.

A Declaração de Objeções diz respeito à aplicação dessas regras a todos os aplicativos de streaming de música, que competem com o aplicativo de streaming de música da Apple "Apple Music" no Espaço Econômico Europeu (EEE).

Ao definir regras estritas na App Store que prejudicam os serviços de streaming de música concorrentes, a Apple priva os usuários de opções de streaming de música mais baratas e distorce a concorrência. Isso é feito cobrando altas taxas de comissão em cada transação na App Store para rivais e proibindo-os de informar seus clientes sobre opções alternativas de assinatura.

A Comissão considera preliminarmente que a Apple detém uma posição dominante no mercado de distribuição de aplicativos de streaming de música por meio de sua App Store. Para desenvolvedores de aplicativos, a App Store é a única porta de entrada para consumidores que usam dispositivos móveis inteligentes da Apple executados no sistema operacional móvel inteligente da Apple, iOS. Os dispositivos e softwares da Apple formam um "ecossistema fechado" no qual a Apple controla todos os aspectos da experiência do usuário em iPhones e iPads.

A App Store da Apple faz parte desse ecossistema e é a única loja de aplicativos que os usuários de iPhone e iPad podem usar para baixar aplicativos para seus dispositivos móveis. A Comissão concluiu que os usuários de dispositivos da Apple são muito leais à marca e não mudam facilmente. Consequentemente, para atender aos usuários iOS, os desenvolvedores de aplicativos devem distribuir seus aplicativos através da App Store, sujeitos às regras obrigatórias e não negociáveis ??da Apple.

As preocupações da Comissão, conforme descritas na comunicação de objeções, referem-se à combinação das duas regras a seguir que a Apple impõe em seus acordos com os desenvolvedores de aplicativos de streaming de música:

O uso obrigatório do sistema de compra in-app proprietário da Apple ("IAP") para a distribuição de conteúdo digital pago. A Apple cobra dos desenvolvedores de aplicativos uma taxa de comissão de 30% sobre todas as assinaturas compradas por meio do IAP obrigatório. A investigação da Comissão revelou que a maioria dos fornecedores de streaming repassou esta taxa aos utilizadores finais, aumentando os preços.

"Disposições anti-direção" que limitam a capacidade dos desenvolvedores de aplicativos de informar os usuários sobre possibilidades alternativas de compra fora dos aplicativos. Embora a Apple permita que os usuários usem assinaturas de música adquiridas em outro lugar, suas regras impedem os desenvolvedores de informar os usuários sobre essas possibilidades de compra, que geralmente são mais baratas. A Comissão está preocupada com o facto de os utilizadores de dispositivos Apple pagarem preços significativamente mais elevados pelos seus serviços de subscrição de música ou serem impedidos de comprar certas subscrições diretamente nas suas aplicações.

A opinião preliminar da Comissão é que as regras da Apple distorcem a concorrência no mercado de serviços de streaming de música ao aumentar os custos dos desenvolvedores de aplicativos de streaming de música concorrentes. Isso, por sua vez, leva a preços mais altos para os consumidores por suas assinaturas de música no aplicativo em dispositivos iOS. Além disso, a Apple se torna o intermediário para todas as transações IAP e assume a relação de faturamento, bem como as comunicações relacionadas para os concorrentes.

Se confirmado, este comportamento infringe o artigo 102.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE), que proíbe o abuso de posição dominante no mercado. A aplicação destas disposições é definida no Regulamento Antitrust (Regulamento do Conselho n.º 1/2003), que também pode ser aplicado pelas autoridades nacionais da concorrência.

 

Deixe seu comentário