Beacons serão produzidos a partir de tecnologia brasileira

0
0

A Taggen, especializada em projetos e soluções IoT e RFID, em parceria com o instituto CPqD, está desenvolvendo o primeiro beacon totalmente projetado e fabricado no Brasil – o chamado Taggen Beacon. O diretor de tecnologia da Taggen, Mário Prado explica que dentre outras, a principal vantagem do produto é o custo, podendo ser até 50% menor do que o similar importado.

"O fato de ser desenvolvido em Campinas (SP) torna a tecnologia mais acessível para as empresas. No varejo, por exemplo, será possível localizar com precisão por qual gôndola o cliente está passando, o que dará suporte para diversas ações de marketing", explica, ressaltando que o dispositivo também pode ser aplicado em processos de logística e segurança de grandes indústrias. "Com o dispositivo será fácil identificar a origem das falhas. Ou, até mesmo, pausar uma máquina de risco quando algum visitante se aproximar", explica.

A solução voltada para o mercado de IoT (Internet das Coisas), se baseia em um dispositivo que emite sinais por meio da tecnologia bluetooth low energy, também conhecida como BLE, o qual já operará sob a versão 4.2 sob os protocolos iBeacon e EddyStone.

Os sinais são captados por qualquer dispositivo que reconheça bluetooth incluindo smartphones e tablets sendo que, dessa forma, os beacons podem ser utilizados para a criação de inúmeras aplicações de rastreabilidade, sendo uma espécie de "GPS" indoor/outdoor, com foco principal nas áreas de logística, marketing e varejo.

Além da inovação, o projeto vai oferecer para integradores de software uma plataforma de serviços utilizando essa tecnologia agora 100% nacional. "Agora estamos na reta final, e com o protótipo e nosso parcerio CPqD, estamos encaminhando para homologação da Anatel, obrigatória para produtos desta natureza, seguindo para a fabricação em grande escala para o mercado e já com vários pré-orders que aguardam com ansiedade o produto final. Mas a inovação não para por aí, o roadmap do produto prevê outras características inovadoras para o futuro, como: sensores de temperatura, luminosidade, umidade e outros. ", ressalta, estimando a finalização desta 2ª etapa do projeto ainda para o primeiro semestre de 2017.

A Taggen, com escritório também no Parque Tecnológico de São Leopoldo – Tecnosinos, em São Leopoldo (RS), se posiciona no mercado como uma das principais empresas inovadoras, compondo grupos e comitês de discussão do assunto Internet das Coisas.

Deixe seu comentário