Softex cria programa de internacionalização para empresas de software e serviços de TI

0
0

BRASÍLIA — A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) apresentou na última terça-feira, 30, o Programa Internacionalização e Competitividade (Inter-Com) para apoiar empresas dos setores de software e serviços de TI. Desenvolvido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) em 2011, o programa tem como objetivo transformar as empresas brasileiras de tecnologia em players globais.  

De acordo com o coordenador de estratégia de mercado da Apex, Juarez Leal, a meta é estabelecer uma estrutura de internacionalização de empresas exportadoras. "Temos que prestar este apoio, pois uma coisa é fazer a exportação, outra é iniciar uma operação. A internacionalização exige investimento contínuo", explica. De acordo com o executivo, é fundamental que o empresário que quiser atuar em outros países tenha conhecimento da cadeia de valor internacional. Isso significa conhecer e definir a proposta de valor, que compreende a gestão de stakeholders, talentos e liderança e modelo organizacional.

O programa, que nesta edição levará as empresas a atuarem no mercado dos Estados Unidos, também mostra aos empresários as oportunidades e desafios enfrentados no processo de internacionalização, e inclui depoimentos de representantes de empresas com negócios fora do Brasil. Também são apresentadas as ferramentas de apoio à promoção comercial desenvolvidas pela Apex.

Segundo o presidente da Softex, Ruben Delgado, "atualmente, 30 empresas participam desse projeto. Nossa meta é fazer com que 20 delas abram operações nos Estados Unidos até 2015". Ainda de acordo com ele, esta é uma boa oportunidade para quem quer ampliar seus negócios. "Agora, estamos dando um passo além da exportação. Chegou o momento de ampliarmos o escopo de nosso trabalho não apenas no incremento das vendas das soluções brasileiras no exterior, mas também na ampliação física de nossas companhias em importantes mercados internacionais", comenta.

O vice-presidente executivo da entidade, Marcos Mardacaru, explica que o programa foi adequado às necessidades do setor de TI. Para chegar ao formato, a Softex firmou um acordo com a Fundação Dom Cabral, que resultou no desenvolvimento de uma metodologia específica para identificação do grau de maturidade empresarial das organizações, no universo das empresas de software e serviços de TI. "Nosso objetivo é identificar quais companhias já estão maduras o suficiente para planejar o estabelecimento de uma base física em outros países", destaca.

Deixe seu comentário