TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Outsourcing de TI alavanca os negócios digitais

Postado em: 10/02/2015, às 16:47 por Redação

À medida que tecnologias e tendências colocam a digitalização no centro dos negócios, os CIOs ou executivos de TI têm a oportunidade de se tornarem líderes digitais. A constatação é do Gartner 2015 CIO Agenda, estudo global realizado com 2.800 CIOs, segundo o qual 75% dos executivos estão conscientes que precisam mudar para ter sucesso no mundo de novas empresas digitais e adaptar seu estilo de liderança nos próximos três anos. Para isso, os executivos de TI estarão mais próximos dos presidentes das companhias, os CEOs, e liderando o impacto digital durante esse período de transição.

Mas, como conciliar o dia a dia da TI com a demanda por inovação? E mais: como adaptar o já apertado orçamento a essa atual realidade? A pressão por inovação não se traduz em aumento dos orçamentos de TI, revela o Gartner. A demanda de fazer mais com menos, e reduzir o custo da TI é ainda premente, com uma média dos investimentos no setor crescendo apenas 1% em 2015.

A estimativa de mercado é que quase todo o orçamento previsto para inovação em TI estará comprometido com tecnologias da Terceira Plataforma (Cloud, Mobilidade, Big Data e Social Business), algo que, além de novos investimentos, remete ao desenvolvimento de novos modelos de negócio, demanda profissionais experientes em diferentes áreas, globalização e, obviamente, à urgência por projetos e políticas de segurança da informação e privacidade.

A alternativa, segundo a IDC, é contar com empresas especialistas em otimizar os investimentos e transformar organizações em negócios digitais. Pietro Delai, gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil, diz que uma das requisições recorrentes nas corporações é a substituição do custo fixo da tecnologia em custo variável. "Não é questão de Capex ou Opex, mas ter o custo da operação da TI relacionado ao resultado da empresa. Ou seja, se está vendendo mais, a empresa aceita uma infraestrutura maior e, consequentemente, mais cara. Mas se as vendas caem, não faz sentido manter o custo alto da infraestrutura", explica Pietro.

Variações

O Outsourcing de TI é composto por várias atividades, que vão desde a impressão de documentos e infraestrutura (servidores e storage), passando por full Outsourcing até chegar à terceirização de processos de negócio (BPO – Business Process Outsourcing). Em 2015, segundo a IDC, o setor deve apresentar desempenho um pouco mais tímido do que nos anos anteriores, com crescimento de apenas um dígito em relação ao ano passado, devido ao comportamento irregular da economia, mas se mantém com alto potencial de receita.

Pensando na aderência corporativa, o primeiro passo do Outsourcing dentro das empresas é a camada de infraestrutura – máquinas, sistemas de armazenamento, processamento e comunicação. Após isso, gradativamente as funções vão sendo assimiladas pelos negócios até chegar à camada dos aplicativos. "O que vai diferenciar as corporações não é a automação ou adoção de novas tecnologias, mas os resultados que a companhia extrai dessa infraestrutura. Por isso, os projetos de Big Data estão em uma rampa de crescimento, para a extração de valor do que se tem dentro de casa", indica Delai.

Outro fator que eleva a demanda pela terceirização da TI é a escassez de mão de obra qualificada. Delai diz que há um descompasso entre a formação de profissionais e a demanda do mercado. "Empresas de médio porte geralmente só possuem um profissional especializado em áreas mais complexas como segurança e conectividade. Com isso, muitas regras de segurança, por exemplo, não estão documentadas e aumenta-se o risco no caso de substituição ou troca desse técnico", alerta o gerente da IDC.

"Por isso, a indicação do Outsourcing é conveniente. Ao invés de um profissional, a empresa terá a sua disposição um provedor de serviço, com 10, 12, 20 profissionais. Em áreas em que há dificuldade de reposição de mão de obra, o Outsourcing não só garante a continuidade do negócio, como oferece uma maior tranquilidade", diz ele.

Seleção

Para escolher um parceiro tecnológico, a recomendação é que as empresas observem se o provedor de serviço tem visão inovadora, ou seja, escolha um parceiro cujo objetivo esteja alinhado com o atual cenário e garanta a proteção dos investimentos no futuro; se o provedor de serviço tem expertise em todas as etapas – procure um parceiro para assisti-lo durante o projeto, do planejamento e implementação, até o suporte durante o ciclo de vida do produto; tenha experiência tecnológica; largo portfólio de produtos, serviços e software e uma metodologia de consultoria e implementação reconhecida.

"Contamos com toda a infraestrutura e segurança de um dos maiores grupos privados do mundo, profissionais com grande experiência em operações de larga escala e em missão crítica, além de termos parceria com as principais empresas fornecedoras de software do mundo", comemora Mario Rachid, diretor Executivo da Embratel.

Mario Rachid, Diretor Executivo da Embratel

Mario Rachid, Diretor Executivo da Embratel

O executivo detalha que a Embratel possui uma equipe com mais de mil profissionais altamente capacitados e um Centro de Atendimento que permite às empresas suporte completo de vários serviços de Outsourcing a partir de um único ponto de contato (SPoC). Segundo Rachid, a operadora já é reconhecida pelo mercado como um dos principais players na área de Cloud Computing, ao oferecer serviços, como Servidores Virtuais, Aplicações na Nuvem (Office 365), Backup Online, Serviços de Armazenamento e de Presença Web, entre outros.

Em ITO (Infraestrutura), a Embratel oferece um serviço especializado que atende às necessidades de TI das empresas, com soluções de Service Desk e Help Desk, Suporte Operacional, Serviços de Data Center, Service Delivery Management e Migração. "O cliente pode se dedicar ao seu negócio, pois a Embratel tem condições de atender a todas as suas demandas de Telecom e de TI, podendo, inclusive, gerenciar por completo o seu ambiente (Full Outsourcing)", diz Rachid.

Na área de BPO, a oferta permite a terceirização das áreas de serviços do cliente. Prática que promove a integração da análise de processos, ferramentas e experiências, para gerar um conhecimento profundo sobre os processos empresariais

A Fábrica de Software (FSW) é a estruturada montada pela Embratel para possibilitar a construção de soluções sob medida para os clientes. Inclui Dispositivos Móveis (IOS, Android, Windows), Aplicações Java, dotNet, Integração de Dados (ODI e OGG), Arquitetura SOA, Oracle Siebel, SAP, Portais e Fábrica de Testes.

Já no quesito BSI (Business Systems Integration), a provedora de serviços entrega soluções integradas de negócios que permitem a gestão e a prática de projetos de portfólio SAP, Salesforce, Oracle e Amdocs.

A oferta de Data Center tem como base a disponibilidade e a segurança em um portfólio completo de serviços de Hosting gerenciado. Contamos com uma plataforma de gerenciamento full time, segmentada em linhas de serviços desenvolvidas para atender diferentes linhas de negócio.

Toda a oferta da Embratel é complementada por um leque de produtos de segurança, que vão desde segurança periférica (usando nossos meios de comunicação) até consultoria. "Nosso portfólio de Outsourcing é completo e integra serviços de Telecom, Cloud, mobilidade e TI", sumariza o executivo da Embratel.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial