TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Próximos passos para o analista de teste

Postado em: 13/08/2013, às 15:24 por Alberto Parada

Das carreiras que compõem as possibilidades de ingresso no mundo da TI, a de analista de teste talvez seja a que exija, em seus primeiros passos, o menor nível de conhecimento técnico, juntamente com o pessoal de call center.

Até pouco tempo atrás, quando os mainframes reinavam absolutos, a função de testar os programas era realizada pelos próprios desenvolvedores. Com a explosão da web e dos sistemas de código aberto, além da enorme diversificação das carreiras que circundam estas novas tecnologias, a especialização em testar e validar o que foi desenvolvido tornou-se inevitável.

Quando surgiram, as atividades de testes eram realizadas quase de maneira informal, contratavam-se pessoas com vontade de entrar na área e sem nenhum conhecimento. Sua primeira função era ficar navegando nas aplicações em busca de erros e inconsistências. Na maioria das vezes, essas buscas eram realizadas sem critério nem metodologia. Como consequência passavam muitos erros só eram encontrados pelos clientes.

Até recentemente, o mercado também aceitava com naturalidade a existência de erros em aplicações. Mas hoje se tornou absolutamente inaceitável receber uma aplicação com defeito. O nível de exigência cresceu tanto que é muito comum encontrar em propostas comerciais —e até contratos — cláusulas de multas pesadas limitando as quantidades e tipos de erros que poderão ser encontrados nas aplicações.

Essa postura do mercado vem provocando uma enorme revolução na carreira dos profissionais de testes, em todos os sentidos. As empresas pararam de olhar para eles como "os meninos que ficavam brincando de testar as aplicações". Descobriram que o resultado do trabalho de teste proporciona o desaparecimento do retrabalho e garante que todo produto seja entregue com padrão de qualidade exigido pelo cliente, evitando grandes prejuízos com multas contratuais.

Não é possível alcançar esses resultados sem investimento em pessoas, processos e ferramentas. Hoje o nível de excelência, desde a elaboração dos casos de testes, sua execução e evidências são monitorados constantemente sob consagradas práticas de mercado, metodologias e, obviamente, capacitação dos profissionais.

Olhando para trás, visualizamos os garotos buscando, de maneira intuitiva, erros nas aplicações. Hoje, os profissionais são preparados e qualificados. E, se olharmos para o futuro, como deverá se comportar a carreira do profissional de teste e qual será o seu limite no crescimento organizacional? Na maioria das organizações, a carreira do profissional de teste se funde verticalmente na posição de gerente de desenvolvimento. Inicia-se como testador, analista de teste, líder, coordenador e depois vai disputar a vaga de gerente com o coordenador de desenvolvimento.

As necessidades das empresas e a exigência dos clientes mostra que teste e qualidade de software andam, cada dia mais, lado a lado. Em grandes empresas já é comum ver suas estruturas organizacionais se encontrando em níveis executivos. Esta tendência, no médio prazo, juntamente com o crescimento constante do reconhecimento por executivos que investir em teste e qualidade reduz de maneira significativa os custos com manufatura e garante um aumento de lucratividade nas vendas, levará a uma inversão importante na lista de corte das empresas em momentos de crise. Isso porque, atualmente, os primeiros a serem cortados são os profissionais ligados justamente à qualidade e teste. Em pouco tempo, esses mesmos profissionais serão idolatrados e tidos como indispensáveis, pois o resultado do seu trabalho garante a redução de despesas e o aumento da lucratividade (coisas que, em todos os momentos de vida de uma empresa que tem como seu negócio o desenvolvimento e a comercialização de aplicativos de sistemas é imprescindível).

*Alberto Marcelo Parada é formado em administração de empresas e análise de sistemas, com especializações em gestão de projetos pela FIAP. Já atuou em empresas como IBM, CPM-Braxis, Fidelity, Banespa, entre outras. Atualmente integra o quadro docente nos cursos de MBA da FIAP, além de ser diretor de projetos sustentáveis da Sucesu-SP.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial