TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

A inovação digital no mercado de seguros

Postado em: 17/12/2018, às 17:19 por Laercio Cerboncini

Com o advento de novas tecnologias como a internet das coisas (IOT em inglês), big data, inteligência artificial e geolocalização, a indústria de seguros está em uma segunda onda de inovação e, com ela, seus parceiros de negócio.

Do lado das seguradoras, tais ferramentas promovem a criação de novos produtos, novas formas de atendimento e de relacionamento com os consumidores finais. Também aumentam muito a capacidade de coleta e análise de dados e promovem a super segmentação, resultando, entre outras coisas, em ofertas de seguro contextualizadas ao momento exato em que se encontra o consumidor.

Ou seja, para um consumidor cada vez mais "antenado" e digital, as seguradoras desenvolvem novas maneiras de ofertar o seguro ideal, no momento ideal.

Para os parceiros de negócio, essas recém-desenvolvidas capacidades propiciam a abertura de novas oportunidades comerciais e novos mercados.

A primeira onda de integração da oferta de seguros aos meios digitais já acontece a algum tempo. Vejamos alguns exemplos:

– Varejistas já oferecem em seus sites de e-commerce seguros totalmente integrados em seus carrinhos de compra e contextualizados ao consumidor e/ou ao produto em questão, buscando, não só um aumento de conversão de vendas e receita não operacional, mas também um melhor posicionamento da marca, já que o seguro é percebido como um serviço de alto valor agregado.

– Bancos continuam a integrar ofertas de seguro de forma contextualizada nos momentos em que seus clientes consomem serviços ou produtos financeiros, nas plataformas de "internet banking", sejam elas acessadas pelo computador ou pelos telefones móveis.

– Empresas aéreas já oferecem o seguro viagem, de forma totalmente integrada ao momento de aquisição de um bilhete.

– Empresas totalmente focadas em distribuição digital de serviços,  já tem o seguro integrado em sua oferta de serviço ou oferecem o seguro, de forma simples e rápida, para ser adquirido diretamente em seus aplicativos.

A segunda onda de oferta e integração do seguro é mais recente e está focada nas capacidades que as novas tecnologias trazem ao mercado.

Podemos citar:

Analise de comportamento: através de algoritmos é possível identificar qual o perfil do cliente  e ofertar o seguro que tenha maior valor percebido conforme análises prévias da base.

Super segmentação: utilizando o conceito de cauda longa, somado à capacidade de segmentação das plataformas digitais,  surge a oportunidade de modelagem e oferta de seguros para nichos bem mais específicos.

Internet das coisas: somadas a capacidade de análise de dados, as tecnologias de IOT permitem, por exemplo, que dados coletados com a permissão dos clientes sejam analisados e transformados em benefícios aos segurados.

Inteligência artificial: utilizando as capacidades de "machine learning" podem-se automatizar rotinas de pós-venda, garantindo que toda a experiência do segurado seja cada vez mais simples e rápida.

Desta forma, cada vez mais, é possível utilizar o produto de seguro para atuar nos aspectos mais estratégicos dos negócios:

– Branding

– Aquisição de clientes

– Retenção

– Agregação de valor

– Diferenciação de oferta

– Receita recorrente não operacional

Resumindo, o foco principal dessas ondas de inovação é o segurado. O objetivo é continuar a oferecer seguros que atendam as expectativas e necessidades dos clientes finais, garantindo que essa oferta aconteça de maneira, simples, rápida e integrada ao atual ecossistema digital.

Laercio Cerboncini, head Digital Chubb em Brasil.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , , , , , , ,

1 Comentário

  1. Avatar Suzana Opatrny disse:

    Espero que o mercado segurador seja mais consciente e se aprofunde no propósito do seu papel social além do financeiro. Os Investimentos em projetos sociais por exemplo a Educação entre outros são extremamente tímidos ou nulos , o consumidor pouco conhece o que compra e os futuros consumidores não tem o mínimo conhecimento do que seja seguro ( cultura do seguro ). Espero ver propósitos nos CEOs das Cias e de forma transparente perceber esse valor no seu brand pessoal e corporativo .

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial