TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Brasil está entre 20 países mais globalizados em TIC, mas ainda atrás de outros emergentes

Postado em: 18/07/2014, às 11:49 por Redação

Uma pesquisa encomendada pela Huawei à Economist Intelligence Unit, braço de informação de negócios do The Economist Group, que edita a revista britânica The Economist, coloca o Brasil no 15º lugar em um ranking de globalização de tecnologia da informação e comunicações (TIC), composto por mais 19 nações. O país obteve 36,1 pontos (de 100 possíveis), ficando atrás da China, em 12º lugar e 43 pontos; Índia, em 13º e 37,6 pontos; e Peru, na 14ª colocação e 37,1 pontos.

Reino Unido, Holanda e Alemanha são os três países mais globalizados em TIC com 69,6, 60,3 e 56 pontos, respectivamente. Segundo o índice, o resultado não é surpreende, visto que estes países têm uma cultura de "abraçar novas tecnologias".

Já os mercados emergentes ficaram para trás, em parte devido à falta de infraestrutura de TIC. Por exemplo, os países que compõem o BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) têm grandes populações espalhadas por grandes áreas geográficas, portanto, apresentam níveis de desenvolvimento desiguais e menor penetração das TIC em geral. No entanto, alguns desses países estão fazendo grandes esforços para melhorar. A China, por exemplo, pretende investir US$ 1,7 trilhão em indústrias estratégicas de TICs nos próximos sete anos.

Outras categorias

O relatório analisou o desenvolvimento digital dos países, de acordo com quatro categorias temáticas subjacentes ao tema principal: abertura ao mercado de TICs, abertura ao investimento estrangeiro no setor, globalização de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e a força do ambiente de TIC.

De acordo com o levantamento, o Brasil está em 13º lugar nas categorias abertura ao investimento estrangeiro em TICs e globalização de P&D. Quando considerada a força do ambiente de TIC, que analisa o mercado em termos de internet, número de celulares e penetração da banda larga, bem como o uso e os gastos em TICs, o país cai para a 16ª posição, com 26,4 pontos. Já em relação à abertura para o mercado de TICs, que mede o grau que cada economia está disposta e é capaz de negociar livremente, o Brasil recua para o 17º lugar, com 39,8 pontos. Nesta categoria, a Holanda lidera a lista com 68,8 pontos.

Para Enock Godoy de Souza professor e coordenador dos cursos de MBA em Gestão de Projetos com práticas do PMI da Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP), alguns impasses justificam a colocação do Brasil no ranking, tais como a falta de mão de obra qualificada — o Brasil tem um déficit de 39,9 mil profissionais de TI — e a falta de fluência no idioma inglês, parte importante na qualificação dos profissionais.

Segundo ele, é preciso concentrar o foco no investimento em educação, com ênfase em cursos na área de exatas. "O Brasil precisa formar mais engenheiros e profissionais da área de tecnologia, mas para isso tem de haver interesse nos cursos de exatas", conclui.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial