As duas companhias estariam verificando a viabilidade econômica de tal empreitada por conta da pressão do governo Trump, que estaria fazendo lobby para empresas norte-americanas trazerem de volta da Ásia suas fábricas e, por consequência, gerar empregos localmente.

As duas publicações afirmam que o presidente do conselho de administração da Foxconn, Terry Gou, discutiu detalhes sobre esse plano durante um evento da companhia no último final de semana. Segundo teria dito Gou, a empresa pensa em abrir uma planta nos EUA desde 2014, mas se fosse para iniciar o projeto nesse momento, precisaria de altos investimentos do governo para conseguir comprar terrenos baratos, bem como obter descontos significativos no valor da energia elétrica para a operação do local.