TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Cresce número de processos de consumidores contra empresas de telemarketing

Postado em: 30/09/2019, às 20:45 por Redação


De acordo com o estudo realizado pela Kurier, empresa especializada em tecnologia e inteligência jurídica, os processos de consumidores contra empresas de telemarketing, aumentaram, principalmente, na esfera da Justiça Estadual, por dois anos consecutivos. Em 2018, 93% dos processos registrados pertenciam a Justiça Estadual, contra 7% da Justiça Federal. Já em 2019, 96% dos processos registrados foram na Justiça Estadual, sendo 4% na Justiça Federal.

A pesquisa mostrou que os principais tipos de processos registrados por consumidores contra empresas de telemarketing no País foram: Procedimento do Juizado Civil, Execução Fiscal e Processo Cível do Trabalho. O estudo aponta também que as cidades que mais tiveram processos foram São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e Recife (PE). Além disso, o levantamento relata que as empresas que lideraram o ranking de ações judiciais, no período avaliado, foram a Paschoalotto Serviços Financeiros, Banco Bradesco S/A e Zanc Assessoria Nacional.

O estudo, realizado em julho deste ano, apresenta as distribuições de processos entre 2018 e 2019, em todo o território nacional, por meio da Kurier Analytics, plataforma analítica, descritiva e preditiva, desenvolvida pela Kurier. A ferramenta conta com dois módulos, o Descritivo –  que possibilita uma visão sintética e analítica dos dados da justiça brasileira, apresentando toda sua movimentação, com mais de 200 milhões de processos na base e atualização diária de mais de 150 mil processos – e o Preditivo – responsável pela entrega da distribuição de probabilidade de encerramento dos processos antes mesmo do seu nascimento, bem como pela previsão de sua duração para cada um de seus possíveis desfechos e estimativa do valor a ser desembolsado pelo réu, no caso de final desfavorável.

As cidades que mais receberam processos contra empresas de teleatendimento foram São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife. São Paulo registrou 14% dos processos do País, no primeiro semestre de 2019, obtendo uma redução de 5%, em relação ao ano anterior. A cidade ficou em primeiro lugar do ranking por dois anos consecutivos.

O Rio de Janeiro representou 6% dos processos do Brasil, em 2018, e 5%, em 2019.  A cidade ficou em segundo lugar do ranking, nos dois anos avaliados pelo levantamento.

Já Salvador representou, em 2018, 5% dos processos do País e, em 2019, manteve a porcentagem, bem como o terceiro lugar consecutivo na liderança de ações judiciais. Recife aparece em quarto lugar em 2018, representando 3% dos processos e, em 2019, empata com Belo Horizonte, também com 3% das ações judiciais.
             
O estudo da Kurier aponta que a Paschoalotto Serviços Financeiros foi a empresa líder em processos judiciais de consumidores contra empresas de teleatendimento em 2018 e 2019. Apenas no primeiro semestre de 2019, a empresa foi responsável por 19% dos processos no País, contra 17% registrados em 2018.

Já o Banco Bradesco S/A, ficou em segundo lugar no ranking da pesquisa, por dois anos consecutivos, representando 13% dos processos recebidos no Brasil em 2019 e, em 2018, 12%. O terceiro lugar, no período avaliado, fica com a Zanc Assessoria Nacional que representou 10% das ações judiciais em 2018 e em 2019.
 
Para Pedro Neto, Head of Legal da Kurier, a alta taxa de judicialização é um reflexo do descaso com a privacidade, sossego e a tranquilidade do consumidor, além de caracterizar falha na prestação de serviço de telefonia. "Cada vez mais os tribunais têm sedimentado o entendimento de que o telemarketing excessivo gera dano moral. Por vezes, as abordagens destas empresas representam um total descuido às normativas setoriais como, por exemplo, o 'Código de Ética do Telemarketing' e, principalmente, ao que serve de defesa da parte, geralmente, mais fraca que é o 'Código do Consumidor (Lei 8.078/90)' " , afirma Neto. 

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial