TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

UCLA desenvolve algoritmo para uso em soluções de identificação

Postado em: 12/02/2016, às 12:43 por Redação

Um grupo de pesquisa Engenharia da UCLA – Universidade da Califórnia Los Angeles divulgou a descoberta de um algoritmo que ajuda os computadores a processar imagens em altas velocidades e "vê-los" de maneira que os olhos humanos não podem. Os pesquisadores dizem que o código poderá ser eventualmente utilizado para identificação de faces, impressões digitais e reconhecimento de íris para segurança de alta tecnologia, bem como em sistemas de navegação dos carros de autônomos ou para inspecionar produtos industriais.

O algoritmo executa uma operação matemática que identifica as bordas dos objetos e, em seguida, detecta e extrai suas características. Ele também pode melhorar as imagens e reconhecer texturas dos objetos.

O algoritmo foi desenvolvido por um grupo liderado por Bahram Jalali, professor do UCLA da engenharia elétrica e titular da Cátedra Northrop-Grumman em Optoelectronics, e o pesquisador sênior Mohammad Asghari.

Ele está disponível para download gratuito em duas plataformas de código aberto, Github e Matlab File Exchange. Tornando-o disponível como código-fonte aberto permitirá aos pesquisadores trabalharem em conjunto para estudar, utilizar e melhorar o algoritmo, e para modificar livremente e distribuí-lo. Ele também irá permitir que aos usuários incorporar a tecnologia em visão computacional e aplicações de reconhecimento de padrões e outras aplicações de processamento de imagem.

A fase de "Transform" do  algoritmo, como é conhecido, é uma abordagem computacional de inspiração física para processamento de imagens e informações. O algoritmo cresceu a partir da pesquisa da UCLA em uma técnica chamada de estiramento tempo fotónica, que tem sido utilizado para imagiologia ultra-rápida e detecção de células cancerígenas no sangue.

O algoritmo também ajuda os computadores a ver características de objetos que não são visíveis usando técnicas de imagem padrão. Por exemplo, pode ser usado para detectar a estrutura interna de uma lâmpada LED, que – usando técnicas convencionais – seria obscurecida pelo brilho de sua luz, e pode ver estrelas distantes que normalmente seriam invisíveis em imagens astronômicas.

A pesquisa que levou ao desenvolvimento do algoritmo foi financiada pelo Office of Naval Research através do programa iniciativa de pesquisa da Universidade Multidisciplinar de Computação Ótica.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial