TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Investidor-Anjo: como se tornar um ou conseguir um ao seu negócio: StartUp?

Postado em: 16/08/2016, às 19:21 por Rodrigo Quinalha

Baseado na minha experiência como Angel Investor, com diversas StartUps investidas, geridas e co-investidas, no Brasil, América Latina e USA, entre erros e acertos, desde 2012, gostaria de compartilhar algumas experiências e informações. Muitos perguntam como podem atuar e contribuir ao fomento do empreendedorismo e inovação, no Brasil, somando nesse movimento fortíssimo de oportunidades no ecossistema Start Ups e assumindo um papel social-econômico diferenciado.

Visando trazer uma visão objetiva e simples, decidi escrever esse artigo!

Conceito

Apesar do termo ser bastante recente no Brasil, o termo investidor-anjo, conhecido em inglês como: angel investor ou business angel, foi lançado, no século 20, nos USA. Isso mesmo, bastante antigo! Foi um termo para identificar os investidores e empresários da época, que financiaram todos os custos de construção e produção da famosa Broadway (NYC), assumindo riscos e participando do retorno financeiro futuro, bem como participando ativamente na execução do projeto. Termo que foi novamente amplamente divulgado com o advento e fortalecimento do ecossistema de StartUps por todo o mundo, especialmente nos USA.

Angel Investor corresponde a denominação de pessoas físicas que investem seus próprios recursos, englobando: financeiro, credibilidade (personal brand),mentoring, tempo, networking, experiência e conhecimento, em negócios potenciais, porém ainda incipientes e em estágio inicial, que denominamos negócios na fase: seed / early stage – até mesmo, na ideação / concepção (pré-operação).

Ativos muito valiosos aos negócios StartUps, especialmente neste estágio de provação. Recursos que foram normalmente adquiridos, através de suas carreiras empresariais ou executivas/corporativas. É muito comum encontrarmos atualmente executivos e empresários na ativa ou não, bem sucedidos, atuando como Investidores-Anjo, somando-se a potencialização empreendedora de nosso país.

Investidor Tradicional vs Investidor-Anjo

Diferentemente de um investidor tradicional ou padrão, o investidor-anjo não visa apenas o aporte financeiro, busca uma relação mais ampla junto ao investido. O SmartMoney é a somatória do valor agregado dos recursos não financeiros e financeiros do investidor. Chego até dizer que o Smart tem valor agregado, na maioria das vezes, de maior impacto ao futuro do negócio do que propriamente o puro Money isolado. Por exemplo, que tal financiar a operação e reinvestimento do negócio, via vendas efetivas e escaláveis aos seus clientes, de forma sustentável e contínua propiciada pelo Angel Investor, ao invés de ter apenas um capital sazional injetado apenas para cobrir custos? Ou seja acaba o dinheiro, acaba a empresa? Mais um round para "pagar as contas"? Por volta de 90% das StartUps nesse estágio inicial desejam e precisam que o Angel Investor as traga para o mercado de forma rápida, via a conquista de clientes e finalização/formatação de seu produto/portfólio. Somente criamos um negócio sustentável desde o início, com tração comercial efetiva e market fit (aceitação do mercado) garantido e muito bem aferido.

Primeiro Elo da Cadeia de Investimentos & Contrapartidas

O Investidor-Anjo pode ser considerado o primeiro elo da corrente do empreendedorismo ao empreendedor, além de fomentar a inovação em seu estado mais bruto, volátil e frágil, assumi maiores riscos, fortalecendo o negócio e o empreendedor as etapas subseqüentes. Isso inclui, a cadeia de investimento seqüencial aos fundos de investimentos, seed capital, grandes corporações (até competidores e compradores estratégicos), corporate ventures e até mesmo a grandes ventures capital (VCs). Em países, como: USA, Israel, Canadá, entre outros; há um grande respeito inerente ao papel de Angel Investor, pelos governos, pelo mercado e por toda sociedade. O Governo Brasileiro começou a reconhecer o termo Investidor-Anjo pela primeira vez em 2016, formalmente, esperamos que seja reconhecido como uma atuação, com os benefícios: dispositivos financeiros e proteções legais necessárias, para que seja maior difundida e fomentada. Quem ganha com isso, será nossa economia, via geração de riqueza, empregos, tecnologia disruptiva, inovação, novos mercados de consumo e novas empresas nacionais (StartUps), para concorrer inclusive no mercado internacional.

Logicamente, que os riscos são geralmente maiores por serem assumidos em um estágio inicial do negócio que pode ser promissor ou não, pelo Angel Investor. Assim se trata de capital e investimento de risco, consequentemente, devem ser premiados e precificados, de forma justa, em equity imediato (stock option) ou mútuo conversível futuro (com possibilidade de conversão ou não, regras a serem definidas na entrada), como contrapartida desse envolvimento e parceria.

Cenário Internacional vs Nacional – Angel Investors

ACA (Angel Capital Association), considera que mais de 300.000 pessoas realizaram investimento-anjo nos últimos dois anos, nos USA. O instituto: Center for Venture Research estima que os Angel Investors investiram U$ 24.1 Bilhões em cerca de 73.000 negócios iniciais entre 2014/2015. São números impressionantes! Acreditam como potencial que 4 milhões de pessoas poderiam aportar capital nesses novos negócios e empresas StartUps, baseados em tickets de investimento de $1 milhão ou mais. No Brasil, ainda não temos informações precisas, há dados ainda incipientes, apenas algumas instituições educacionais, sem fins lucrativos, sindicatos de investimentos, fundos e grupos de investidores anjo, alguns realizando um ótimo trabalho de fomento e integração, porém possuem suas próprias métricas e percepções dessa dimensão, algumas métricas ainda questionáveis. O que posso garantir? É que esse tipo de investimento (Angel Investor) cresceu abruptamente nos últimos 3 anos. A quantidade de operações, transações e novos negócios suportados provam essa tendência e janela de oportunidades. Nunca se falou tanto em StartUps no Brasil, assim como Investidores-Anjo.

Este grupo de Angel Investors do qual tenho grande prazer em integrar essa corrente de impacto empreendedor, tem exercido um papel cada vez mais fundamental no fomento do empreendedorismo de qualidade e efetivo, assim como a contribuição a economia do país.

Sempre aberto a aprender, ensinar, colaborar e compartilhar!

Investidor-anjo não importa quão vasta seja a sua experiência, quantas dezenas de anos como profissional, empresário e executivo. Tenha humildade e postura open mind ao sentar na frente de um empreendedor. Temos uma geração nova com alta poder de impacto e capacidade surgindo, saiba direcioná-los ao seu máximo potencial. É uma grande oportunidade para entender os anseios, projetos, missões, medos, erros, velocidade em realizar, etc; dessa nova geração. Tente não impor seus pontos de vistas emindset pré-estabelecidos, como verdades absolutas. Construa isso em conjunto. Dedique-se a conhecer essa geração que chegou efetivamente para revolucionar o mundo, via impacto social, econômico e corporativo. Renda-se e participe desse jogo!

Cuidado: Idéia milionária. Execução decimal!

Sua idéia AINDA não vale NADA! Idéia isolada é commodity. Criei essa frase de impacto, para mostrar aos empreendedores que não basta ter apenas idéia(s). Idéia é um pequeníssimo passo, se não for seguida de um planejamento e execução primorosos. A distância entre a idéia, viabilização do seu negócio e aceitação do mercado é bastante longa e tênue. Há esforços muito importantes. Se pudesse dar uma dica valiosa aos empreendedores para se tornarem atrativos as captações financeiras, inclusive aos Investidores-Anjo, foco: 110% na execução!

Semanalmente, chegam de 15 – 35 novas StartUps e empreendedores, procurando por sinergias, capital e apoio de alguma vertente, na KICK Ventures, muitas delas dentro desse contexto citado acima. Esse será um dos papéis do Investidor-Anjo, ajustar a realidade e expectativa do novo empreendedor e potencializar seu negócio e seus líderes.

Decisão do Investimento-Anjo. Go or No Go?

Aportar capital, tempo e seu nome (personal brand) em jogo dentro de um negócio, nunca será uma decisão simplista. Temos uma máxima da qual compactuo no mundo dos Angel Investors. Acreditamos e investimos primariamente em pessoas, investimos nos empreendedores antes de investirmos em um negócio. Isso é a pura verdade. Sabe por quê? Acreditamos no marinheiro antes de acreditar na embarcação. A combinação de ambos deve ser atrativa e sinérgica, precisamos visualizar uma conexão de propósito e missão . A dinâmica do mercado é insana e devastadora. O Portfolio Life Time está cada vez mais acelerado (curto), sua inovação pode virar commodity em poucos meses. O empreendedor deve ter a real condição e capacidade de contornar os problemas que surgirem, se necessário reinventar e reposicionar o negócio.

Após essa análise, de forma muito sucinta, para não estender ou sair do propósito inicial desse artigo, partiremos para avaliar outros diversos pontos chaves, como: visão estratégica, planejamento, mercado potencial, SWOT, macro/micro economia, market trendsmarket fit, equipe (procuramos sempre gold team – ambicioso, sinérgico e dedicado), projeções financeiras (mensurar a visão e apetite do empreendedor em crescer e realizar), clientes/cases existentes, atual gestão de processos (BPM), produto/solução/portfólio (PLM / roadmap), até mesmo, energia, experiência, valores pessoais, inteligência emocional e maturidade, são levados em conta. Criamos uma abordagem inovadora e ampla, em nosso sindicato de investimento da KICK Ventures, são metodologias e métricas afiadas e maduras, para que possamos identificar o potencial humano e de negócio durante nesse processo de avaliação, para que de forma justa e completa possamos determinar a entrada ou não em determinadas empresas StartUps. Não temos espaço mais para amadorismo, subjetividade e pessoalidade no ecossistema StartUps, acreditamos inclusive que o próprio mercado fará as correções a médio prazo de todos desvios desse prisma, que encontramos por aí. E muitos de vocês os veem diariamente, não?

Quais os segmentos StartUps mais atrativos, para investimento?

Segundo pesquisa realizada pelo SEBRAE/SP, as StarUps dedicadas ao setor de serviços atraem maiores aportes financeiros dos investidores, principalmente as que atuam nos segmentos de Tecnologia, Saúde e Educação (Lado A e Lado B – Startups / SEBRAE/SP), 96% dos investidores buscam StartUps do setor de serviços para formar sua carteira de investimentos. As verticais mais procuradas são Varejo/Comércio (49%), Indústria (46%) e Agrobusiness (22%). Já para os segmentos, os preferidos são Educação (alvo de 30% dos investidores), Tecnologia (30%), Saúde (27%), Transporte/logística/mobilidade urbana (20%) e Serviços financeiros (17%).

79% dos investidores procuram StartUps já em fase de operação e market fit comprovado, mas 62% também buscam empreendedores na pré-operação ou ideação/concepção, ou seja, estágio bastante inicial do negócio. Sobre o valor dos investimentos, os aportes variam de R$ 20 mil, 50 mil, 100 mil e até R$ 3 milhões, segundo SEBRAE/SP.

Da minha parte, aconselharia aos futuros e atuais Investidores-Anjo a buscarem mercados e StartUps que atuem nos seus segmentos e verticais de negócios, nos quais você tenha vasta experiência e relacionamento sólido com clientes, fornecedores e parceiros. Contribui muito ao empreendedor, no crescimento do business e potencializa o poder do seu impacto, na sua entrada como Angel Investor.

Co-Investimento: Importante aos Angel Investors de primeira viagem!

Efetuar investimentos de forma solitária, no mercado StartUp sem conhecimento especializado, envolve um risco alto. Com a glamurização do mundo StartUps fez-se vibrar valuations "diferenciados", muitas vezes até irreais e superestimados. Os modelos de negócios costumam ser muito destoantes em comparação a  empresas "tradicionais", como conhecemos. Afinal, a finalidade da StartUp é de impacto, inovação e em ser disruptiva. Principalmente, quando você tem que precificar e valorar o futuro, sempre projetado e incerto. Por essas peculiaridades, quando você adentrar nesse mundo, crie elos com investidores anjos mais experientes, com sindicatos sérios, participe com co-investidores confiáveis, até mesmo com outros profissionais e amigos que tenham o mesmo desejo que você, compartilhar experiências, conhecimentos e visões sobre um mesmo pith (apresentação) de um empreendedor sobre sua StartUp, pode gerar várias visões e variáveis adicionais nesse processo.

Esteja preparado para o pior!

Sim, para o pior! Gosto de mostrar abertamente o lado escuro do empreendedorismo, a realidade, seja a investidores ou empreendedores. Empreendedorismo sempre envolverá riscos, apenas podemos mitigá-los e transformá-los em oportunidades. Não importa o quanto esteja confiante sobre determinado negócio, sempre parta dessa premissa. Comece gradativamente a acumular suas experiências e investir como Angel Investor, a diversificação é essencial nesse setor, pense sobre isso. Em média, de um portfólio de 12 negócios StartUps no Brasil, apenas de 2 a 4 tracionam de forma substancial e atingem breaking even sustentável, dependendo do nicho de atuação: B2C, B2B – Tecnologia, Fintech, Saúde, Educação, Social, Economia Colaborativa, New Trends – IoT / VR, entre outros. Ademais, está sendo criada uma bolha pela glamorização do mundo StartUps que deverá ser corrigida no futuro. Não podemos esquecer que StartUp é uma empresa, apesar de suas peculiaridades, não está isenta de diversos objetivos corporativos, legais e "burocráticos".

Secret Agenda – entre Investidos & Investido: Proibida!

Esse é um ponto crucial que não pode haver na relação entre o investidor e o investido. Agenda secreta deve ser descartada, as expectativas do investidor e do investido devem estar claras e alinhadas antes da entrada e início dessa parceria. Volto a reiterar a importância do contrato humano, precedendo a papelada burocrática necessária. Você como Angel Investor, deve entrar no negócio já vislumbrando seu exit futuro, essa claridade de potencialização do negócio, deve estar claro a todos. Tratarei modelos e opções de saída: M&A, EarnOut e Exits com outros detalhes mais profundos, em novos artigos.

O tão esperado "Desinvestimento" ou Exit (CashOut / EarnOut)

Esse é um ponto crucial para que você invista em uma empresa StartUp. Como posso sair de um negócio e realizar meu Exit futuro? Quando uma empresa atinge um patamar de sustentável de resultados e atinja o preço alvo de valuation pretendido pelos sócios.

É importante garantir desde o começo, por mais apaixonado que o empreendedor seja pelo seu negócio, não dificultará ou impedirá uma venda futura, dentro da projeção acordada. A composição societária é muito importante ser levada em consideração nesse ponto. Há casos também do investidor-anjo ser remunerado via dividendos o que pode ser um contra ponto estratégico e aceito a alguns investidores-anjo, defina sua estratégia.

Infelizmente, no Brasil não há muitas alternativas. De forma bastante superficial, as principais saídas são:

  • Venda para outros Fundos Nacionais (VCs ou fundos de investimentos menores)
  • Initial Public Offering– IPO*
  • Venda para comprador estratégico (Corporate Ventures ou até competidores)
  • Venda para outros Fundos Internacionais
  • Venda de sua participação equitya um comprador de relação próxima (troca de posição)

Muito difícil definir essa saída de forma antecipada e o modelo exato, realmente deve ser analisado caso a caso de forma minuciosa. Processo de IPO por exemplo, somente para empresas com faturamento acima de R$ 50 Milhões, o que a grande maioria de StartUps nunca atingirão, em toda sua existência. Há VCs (Ventures) que proíbem compra de participação de terceiros em seus estatutos, enfim há muitas peculiaridades. A experiência e relacionamento contam muito nesse momento.

Angel Investor: alternativa para retomada da economia brasileira

Para fugir da crise institucional e econômica configurada em nosso país, a geração de novos negócios e fomento ao empreendedorismo, sem dúvida será uma das melhores alternativas a uma mais rápida recuperação.  Talvez a expressão "Angel" (Anjo) nunca fez tanto sentido nesse momento! Adicionalmente, penso que é uma alternativa de investimento e diversificação àqueles que procuram e buscam potencializar investimentos em um mercado vasto e repleto de oportunidades.

Fico a disposição, para contribuir como for necessário! Temos muito o que aprender e evoluir nesse mercado em expansão.

Em breve, falarei em novo projeto, com conteúdos novos semanalmente, portal/canal/TV sobre diversos outros temas, cases reais de empreendedorismo e do ecossistema StartUps!

Rodrigo Quinalha, serial entrepreneur | business development director | angel investor | start ups | MBA professor | speaker.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , , , , , , , ,

1 Comentário

  1. Avatar Celso disse:

    Ótimo artigo!! Parabens Rodrigo Quinalha por contribuir cada dia mais a esse ecossistema de Start Ups!!! Você já é uma referência nos eventos que participo

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial