TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Saiba quais são os critérios para abrir um digital bank próprio

Postado em: 18/09/2019, às 19:11 por Fernando Oliveira

Ao redor do mundo, um número cada vez maior de empresas está se movimentando e colocando apostas altas no desenvolvimento de plataformas de digital bank proprietários ou White Label, estabelecendo uma mudança abrupta no relacionamento com seus clientes, fornecedores e – até mesmo – dentro de sua própria empresa ou grupo. Como resultado, mensalmente são abertas entre 500 mil e 1 milhão de contas nessas plataformas, segundo estimativas da consultoria Boston Consulting Group (BCG), com base em dados públicos. No Brasil, essa movimentação não está sendo diferente.

Em primeira análise, a redução do custo de Money Transfer – TEDs e DOCs intra-company – passa a ser praticamente zerado. Cartões de crédito e corporativos, pré-pagos, CDC e até crédito clean são ofertados agora pelo digital bank corporativo ao consumidor final. Os modelos de receitas são variados e possíveis na legislação brasileira atual, permitindo até crédito consignado aos funcionários da empresa por intermédio de FIDC e distribuídas pelo digital bank. Por fim, um plano fidelidade integrado no banco com CRM e AI (Inteligência Artificial) melhora a recorrência dos clientes.

Mas há critérios e linhas de corte para abrir um digital bank próprio. A escolha deum parceiro que possua um banco liquidante/custodiante de primeira linha é crucial, pois traz segurança de que todo dinheiro nas carteiras estará, ao fim, resguardado por uma entidade sólida e de patrimônio líquido relevante no cenário econômico brasileiro.

Além disso, a qualidade da consultoria jurídica e contábil a ser fornecida pela empresa desenvolvedora dos bancos digital é de suma importância. Um erro contábil ou CNAEs inadequados podem gerar desenquadramento imediato do Fisco e ônus de impostos e multas proibitivas.

O ROI da operação também é um ponto determinante. O investimento em um digital bank pode atingir valores de 2 a 20 milhões, dependendo da complexidade do mesmo. Caso a empresa não perceba reduções de custos e receitas do sistema compatíveis, esse investimento talvez nunca se prove. A capacidade do gestor do digital bank é então testada, pois os chamados spreads irão compor a receita bruta. Com spreads mal negociados, a estrutura não se sustenta.

Por fim, em relação a faturamento mínimo, aconselha-se que a empresa ou rede fature, pelo menos, 50 milhões ao ano. Passada essa linha de corte, o investimento ou joint venture com uma empresa gestora de digital bank mostra-se um negócio muito assertivo e lucrativo.

Fernando Oliveira, co-CEO da BTX Digital.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial