Publicidade
Início Notícias Gestão Mercado de impressoras cai quase 7% em 2020

Mercado de impressoras cai quase 7% em 2020

0
Publicidade

O ano passado começou bem para o mercado de impressão, com vendas de 659.468 equipamentos nos três primeiros meses. Mas, como tantas indústrias no Brasil e no mundo, essa também foi impactada pela pandemia de covid-19 e já no 2º trimestre de 2020 as vendas baixaram para 386.194 máquinas.

A recuperação começou no 3º trimestre, com um salto para 562.943, e foi ainda melhor nos últimos três meses, com vendas de 659.052, número bem parecido ao experimentado no começo do ano. Com essa reação, 2020 fechou com 2,2 milhões de impressoras vendidas, volume que não evitou uma queda de 6,8% em relação a 2019, mas mostrou o fôlego do setor. Os dados são da IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações.

“A crise afetou diretamente a dinâmica do mercado de impressão, por um lado trazendo impactos severos nas vendas de impressoras a laser voltadas ao público corporativo, e, por outro, oferecendo algumas oportunidades para impressoras à tinta e laser para o consumidor final em busca um equipamento de apoio para o home office e para as aulas remotas”, explica Rodrigo Okayama Pereira, analista de mercado da IDC Brasil .

Os números embasam essa análise: dos 2,2 milhões de equipamentos vendidos em 2020, exatamente a metade (1,1 milhão) foi de modelos com tanque de tinta, 743 mil com cartucho, 376 mil a laser e 4,5 mil matriciais.

Os percentuais de vendas realizadas para o mercado corporativo em 2020 são outros indicadores da mudança na dinâmica do setor. Enquanto no 1º trimestre do ano o setor respondeu por 23,3% das vendas, no 2º esse índice caiu levemente para 23%, no 3º trimestre mostrou uma pequena reação para 25% e no 4º trimestre foi responsável por 34,9% das vendas. Movimento contrário a IDC Brasil observou no varejo, que começou o ano com 76,7%, saltou para 77% entre abril e junho, no terceiro trimestre chegou a responder por 74,9% e fechou o ano com 65,1% de todas as vendas de impressoras.

“No caso do mercado corporativo, os dados do 3º trimestre de 2020 refletem a queda de demanda das empresas brasileiras, congelamento de investimentos públicos e privados e a lenta recuperação da economia e da confiança do empresário. Mas, no 4º trimestre, quando comparado ao mesmo período de 2019, observa-se um crescimento de 45,2%, com destaque para o mercado de pequenas e médias empresas que, somadas representaram quase 69% do mercado corporativo”, analisa Rodrigo. Já no caso do varejo, segundo o analista da IDC, as impressoras a laser de entrada e as tanque de tinta mantiveram a tendência já esperada de ganhar espaço não apenas nas residências dos consumidores, mas também nos pequenos escritórios e junto aos pequenos empreendedores que, em muitos casos, compram seus equipamentos diretamente do varejo.

Em 2020, a receita do mercado de impressão foi de US$ 560.2 milhões, 16,6% menor do que em 2019, queda puxada basicamente pelo dólar alto e instável e os impactos diretos e indiretos da crise do coronavirus no país.

Mercado de impressão no terceiro trimestre de 2020

De julho a setembro de 2020, foram vendidas 562.943 impressoras no Brasil, uma queda de 4,7% em relação ao mesmo período de 2019. Desse total, 300.841 unidades foram de modelos tanque de tinta, 172.106 com cartucho, 88.335 a laser e 1.661 matricial. A receita foi de US$ 140,9 milhões, 14% a menos do que no 3º trimestre de 2019. Segundo a IDC Brasil, neste trimestre o mercado de impressoras, sobretudo a categoria de impressoras laser, continuou sentindo os impactos diretos e indiretos da crise do coronavírus. “Falta de produto, dólar alto, escritórios ainda fechados ou parcialmente utilizados, home office.

Todos esses fatores refletiram negativamente, especialmente para o mercado laser, mas, por outro lado, abriram algumas oportunidades para impressoras à tinta, especialmente para a tecnologia tanque de tinta”. No período, o varejo vendeu 421.935 unidades, (crescimento ano-contra-ano de 16,9%), e o mercado corporativo ficou com 141.008 máquinas (queda ano-contra-ano de 38,7%). No 3º trimestre de 2020, uma impressora tanque de tinta custava, em média US$ 232, o preço médio do modelo com cartucho era de US$ 128 e do modelo laser US$ 531, valores, em média, 25% mais altos do que no 3º trimestre de 2019. Segundo o analista da IDC Brasil, o desequilíbrio entre oferta reduzida X demanda crescente, somado ao dólar alto e instável tiveram grande influência nessa alta de preços. Os dados são do estudo IDC Brazil Quarterly Hardcopy Tracker Q32020.

Mercado de impressão no quarto trimestre de 2020

De outubro a dezembro de 2020 foram vendidas 345.712 impressoras tanque de tinta, 204.718 com cartucho de tinta, 107.381 a laser e 1.241 do modelo matricial, num total de 659.052 equipamentos, alta de 19,3% em relação ao mesmo período de 2019. “Olhando para o mercado de impressoras à tinta, o resultado positivo não surpreende, especialmente pelas promoções de Black Friday, Cyber Monday e Natal, pois apesar de os preços não terem sido tão agressivos quanto em Black Fridays de anos anteriores, ainda assim os fabricantes trabalharam em parceria com seus canais varejistas e criaram ofertas atrativas para o consumidor final”, disse Rodrigo Pereira, analista de mercado da IDC Brasil.

Já o mercado laser de impressoras acima de 45 ppm, segundo ele, continuou sofrendo fortes impactos da crise, porém as impressoras de entrada com essa tecnologia voltaram a ganhar força. Quanto aos preços, no 4º trimestre de 2020 uma impressora tanque de tinta custava, em média US$ 226, o preço médio do modelo com cartucho era de US$ 128 e da laser US$ 468. A receita no período foi de US$ 155.4 milhões, 17,3% a menos que no 4º trimestre de 2019. Os dados são do estudo IDC Brazil Quarterly Hardcopy Tracker Q42020.

Expectativas para 2021

Segundo a IDC Brasil, 2020 trouxe mudanças para o mercado de impressoras, com fabricantes, canais e todo o ecossistema de empresas buscando se reinventar e apostando na transformação digital para se adaptar ao novo momento. “Este ano ainda será de grandes desafios político-econômicos, mas há sinais de retomada do mercado de impressão e a previsão é fechar 2021 com um crescimento de 10,7% em comparação a 2020”, diz o analista de mercado da IDC Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile