Publicidade
Início Blogueria Atendimento humanizado: um equilíbrio entre tecnologia e pessoas

Atendimento humanizado: um equilíbrio entre tecnologia e pessoas

0
Ricardo Gorski
Publicidade

A tecnologia está constantemente mudando a realidade dos negócios. Desde a popularização do acesso à informação, que impactou o hábito do consumidor e aumentou seu nível de exigência, até a coleta gigantesca de dados sobre o perfil do público, passando claramente pela necessidade – cada vez maior – de agilidade e assertividade nos processos.

Esses fatores característicos da nossa sociedade atual, como qualquer movimento novo, teve seu auge, com atendimentos robóticos tomando o lugar de analógicos e empresas adotando processos cada vez mais mais acelerados. E agora, é o momento de calibrar.

A alta velocidade exigida pelos clientes e a exaltada tentativa das empresas de apresentar cada vez mais soluções tecnológicas geraram em todos uma percepção, não muito errada, de impessoalidade. Ao refletir sobre essa situação, hoje vemos a necessidade, como clientes e como fornecedores, de desacelerar para humanizar. É claro que esse pé no freio não significa engatar a ré, pois é impossível retomarmos os processos como eles eram feitos no passado. Mas ajustar essa velocidade a um passo mais humanizado, encontrando o equilíbrio entre o que a tecnologia proporciona e o que nós, como pessoas, conseguimos assimilar, é o segredo.

Esse processo é natural com qualquer tendência: primeiro, exacerba-se o seu uso para encontrar os limites e, depois, lapida-se os procedimentos até alcançar o resultado ideal. Nesse dia do consumidor, queremos lembrar da importância desse equilíbrio, e alertar para a dosagem correta de utilização de tecnologia, robótica e Inteligência artificial, que devem ser ferramentas para um atendimento mais humanizado.

“Mas, nós vamos usar robôs para atender como humanos?”. Exatamente. A tecnologia nos dá insights poderosos para compreendermos melhor o comportamento do cliente, bem como suas necessidades e deficiências. A adoção de soluções de Inteligência Artificial, gera uma grande coleta de informações e dados que podem ser utilizadas tanto para oferecer uma oferta customizada quanto para resolver um problema, promovendo uma experiência única ao consumidor. Uma pesquisa da PwC sobre a confiança do consumidor indica que 41% dos entrevistados sente-se confortável que seu perfil de compras seja monitorado para receber ofertas personalizadas. Use as informações automatizadas a seu favor

Na ponta da linha, a relação humana faz toda a diferença. O consumidor não quer mais ouvir protocolos e respostas prontas, mesmo porque nem sempre seu problema estará catalogado no sistema. Mas isso não impede que o atendimento use as informações do robô para agilizar o fornecimento de soluções aos cliente. A automação desse procedimento deixa o funcionário inclusive com mais tempo para se dedicar a ouvir uma solicitação e mostrar-se prestativo.  Dúvidas simples e tarefas mecânicas, como solicitação de comprovante ou mudança de endereço, podem ser facilmente realizadas pelo robô de atendimento, garantindo que o tempo do funcionários seja dedicado ao que é mais humano: a empatia.

Ser reconhecido e atendido pelo nome por alguém que conhece seus gostos e sabe exatamente qual será o produto ou serviço ideal para você é uma experiência que relembra o velho comércio de bairro ou a loja do interior, mas pode ser retomada em grandes processos com a tecnologia. Utilizando-se de Big Data, o contato com o consumidor pode apoiar-se nesse dossiê de informações que a tecnologia oferece para compreender cada consumidor, com suas particularidades e peculiaridades, e garantir que cada atendimento seja personalizado como nos velhos tempos, mas com a agilidade dos novos.

A inteligência artificial também pode ser utilizada para detectar situações que podem gerar problemas e facilitar ao atendimento a antecipação proativa de ações mitigadoras. Dê uma carta de confiança ao seu cliente, ele vai entender se você teve um problema, principalmente se você avisá-lo desse problema e propor uma solução antes mesmo que ele perceba que algo está errado. Essa relação de transparência fideliza seu consumidor e garante experiências positivas e maior engajamento.

Uma pesquisa recente, realizada pela Accenture, evidencia que empresas ainda perdem muito tempo de suas operações de SAC com trabalho manual, revisando e classificando casos. Segundo o relatório, 27% dos SACs têm mais de 100 possibilidades de encaminhamento para os novos casos; e 15% declara ter mais de 100 categorias para escolher na hora de classificar as ocorrências. Como resultado, o suporte gasta aproximadamente 12% do tempo de um atendimento categorizando, priorizando e endereçando o atendimento. Esse gap nas operações, além de ser oneroso, afeta a experiência do cliente ou consumidor.

No caso, a adoção de Machine Learning e Inteligência Artificial nos processos pode minimizar esse problema, uso da ferramenta pode, por exemplo, fazer com que a máquina identifique o padrão dos casos recorrentes e aprenda como encaminhá-los, economizando tempo e erros no atendimento. Ganham os clientes, que passam a ser atendidos mais rápido. E ganham também os colaboradores que têm boa parte das tarefas mais monótonas e estressantes excluídas da sua rotina de trabalho.

A evolução para um atendimento ao cliente mais preciso, eficaz e produtivo com a ajuda da tecnologia é um caminho sem volta, mas é importante não pecar no que define um atendimento humanizado: compreensão, empatia e solidariedade , características únicas e insubstituíveis do ser humano.

Ricardo Gorski, diretor geral da iLink Solutions.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile