Publicidade
Início Blogueria A corrida dos bancos rumo à transformação digital

A corrida dos bancos rumo à transformação digital

0
Publicidade

Os serviços financeiros estão passando por uma dramática transformação guiada pela geração Y, ou geração do milênio, que já é parte predominante da população ativa. O banco na palma das mãos é um fator importante e decisivo para a competitividade no segmento. 58% das pessoas abaixo dos 45 anos que pretendem mudar de banco avaliam a qualidade das versões mobile disponíveis no mercado ao efetuar a troca, de acordo com uma recente pesquisa da consultoria global Bain & Company. No Brasil, dados divulgados pela Febraban mostram que o uso de transações bancárias realizadas pelos clientes em smartphones cresceu 138%, passando de 4,7 bilhões de transações em 2014 e chegando a 11,2 bilhões em 2015.

Com economias mais dependentes da entrega de informações digitais, os bancos são desafiados a fornecerem serviços inovadores e modernos. Globalmente, eles têm diminuído o número de agências e se voltaram para a experiência digital focada no cliente, com branding exclusivo, personalização, produtos e campanhas de marketing. Não à toa, temos visto diariamente o esforço que os bancos tradicionais estão fazendo para firmarem sua nova posição digital.

Incursões de empresas de tecnologia que estão expandindo para serviços financeiros –as chamadas “FinTechs” – ressaltam que a sobrevivência depende do alcance ao êxito neste desafio digital. A concorrência surge também com os bancos da nova geração, que já nascem 100% digitais, caso do Original recém-chegado no País. Bancos com DNA digital já são uma realidade em outras localidades, e permitem que os clientes realizem todas as operações exclusivamente pela internet e recebam atendimento via telefone, site, aplicativo e até vídeo conferência.

Nessa jornada de transformação digital, fatores como segurança, estabilidade e desempenho dos sistemas back-end continuam a ser as maiores preocupações para os executivos do setor, além das pressões vindas de diversas direções, tais como:

  • Interação com o cliente baseada em dados – exige inovação tecnológica para criar novas oportunidades, a fim de identificar e prospectar clientes com ofertas personalizadas no lugar e momento certos;
  • Pressão regulatória e compliance – só aumentam e a isso ainda é possível acrescentar a demanda da ciber segurança na gestão de riscos;
  • Demanda orientada ao cliente – cresce à medida que o universo mobile, as redes sociais e as tecnologias em nuvem se tornam onipresentes;
  • Agilidade – fator essencial para enfrentar o rápido ritmo de mudança no novo banco digital.

Perante esses desafios, os bancos são obrigados a se adaptar às novas formas de fazer negócios. As instituições devem se comprometer com a transformação digital ou correr o risco de serem deixadas para trás por concorrentes digitais modernos. Para apoiar o negócio atual, a TI deve evoluir e se tornar uma parceira crucial na transformação dos negócios e operar em duas áreas desafiadoras:

Manutenção das operações – a TI precisa manter os níveis de desempenho do back-end, sistemas legados e aplicativos para suportar os negócios dos dias atuais;

Velocidade – a TI precisa garantir agilidade à organização, permitindo que ela se adapte com facilidade às novas tendências e tecnologias.

Esse foco bimodal deve levar à economia de complexos sistemas, legados e processos, além de destinar os recursos necessários para a verdadeira revolução digital dos bancos e ao aumento de receita.

A construção do banco digital não acontecerá se as organizações separarem o legado das novas tecnologias. Tal polarização da TI apenas fará com que a resistência interna aumente, que o ritmo de evolução diminua, e gerará maior chance para que a concorrência se destaque.

Recomenda-se um plano convergente, construído sobre iniciativas que permitam o uso de soluções capazes de ser utilizadas com integrações nativas. Isso faz manter o foco naquilo que é mais importante para a TI bancária: uma organização flexível e modelos de operação que melhor suportem os clientes e produtos. O mundo digital demanda que as companhias se transformem para atender as novas expectativas de experiência digital do consumidor.

Ricardo Fernandes, country manager da BMC Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário Cancelar resposta

Sair da versão mobile