Publicidade
Início Newsletter (TI Inside) As vantagens do uso do RPA para as organizações de saúde

As vantagens do uso do RPA para as organizações de saúde

0
Publicidade

Hoje não é mais possível se pensar em uma empresa, seja de que segmento for, sem processos. A automação de tarefas repetitivas, os grandes volumes de notas fiscais, prontuários não digitalizados, faturamentos enfim um número incontável de tarefas importantes, mas tradicionalmente manuais, sem que haja uma equipe grande e um outro grande número de sistemas para executá-las.

Neste campo a automação de processos ou RPA – Robotic Process Automation, veio ajudar com a agilidade e diminuição de custos, para que toda e qualquer tarefa repetitiva venha a ser executada com excelência através de bots, especificamente treinados para isso.

Segundo Kleber Rodrigues, co-fundador da WDG, em sua apresentação no Fórum de Saúde Digital, promovido no último dia 2 pela TI Inside, essa realidade já faz parte do cotidiano de várias empresas de saúde, sejam elas da área pública quanto do sistema suplementar.

“Sabemos que o mercado de saúde no Brasil, atende à um grande número de pessoas e para que este trabalho seja feito com a agilidade e qualidade necessárias é preciso que estes processos, menos nobres, sejam destinadas a robôs que podem executar estas tarefas com perfeição, utilizando chatbots, Inteligencia Artificial, imagens, OCR e PDF’s  entre outros”, assegura o executivo. 

Para Rodrigues uma das maiores vantagens do uso do RPA para área de saúde hoje é de fato olhar para os processos repetitivos como tarefas que podem ser feitas por  robôs, deixando que a equipes se  ocupem com outras tarefas mais nobres dentro da cadeia produtiva da saúde, além de possibilitar uma enorme economia de tempo já que os sistema fazem a interface com áreas de governo, para troca de informações e atualizações , por exemplo.

“O interesse do setor é grande e percebendo uma melhora na economia é bom estar preparado para assimilar as demandas futuras sem que isso exija novas contatações, ou mudanças para outros espaços físicos”, conclui Rodrigues.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile