Publicidade
Início Newsletter (TI Inside) Com projetos tímidos de transformação digital, maioria das empresas no Brasil teme...

Com projetos tímidos de transformação digital, maioria das empresas no Brasil teme sofrer perdas financeiras e de competitividade

0
Publicidade

Apesar de crucial para as empresas enfrentarem o desafio da produtividade e da competitividade, a adoção do conceito de transformação digital no Brasil ainda é bastante incipiente. Estudo encomendado pela Progress à empresa de pesquisas britânica Loudhouse revela que, embora a totalidade das corporações no país concorde acerca da importância do uso das tecnologias digitais nos próximos 12 meses, o plano de investimentos da maioria delas ainda é tímido.

Das 51 empresas consultadas no país, 45,3% afirmaram estar investindo em algum projeto de transformação digital dos negócios, 47% ainda apenas planejam investir e 7,8% disseram não ter sequer planos para investir nesse novo conceito. Os motivos alegados para o baixo índice de adesão são os mais variados e vão desde a falta de lideranças preparadas (55,6%) para o avanço da transformação digital, o baixo orçamento (45,5%), passando pelos entraves associados aos sistemas legados de TI (57,4%), até a resistência a mudanças e à colaboração (56,9%) dentro das empresas.

O dado curioso é que, mesmo com essas justificativas, a maioria dos executivos brasileiros entrevistados (78%) acredita que as empresas podem sofrer perdas financeiras e de competitividade nos próximos anos e 45% demonstraram preocupação sobre ser tarde demais por não ter implementado a transformação digital dos negócios.

Divisão de poder

Outro aspecto que chama a atenção na pesquisa é que o CIO, que até recentemente reinava absoluto na área de TI, se vê agora obrigado a compartilhar poder nos projetos de transformação digital. A pesquisa mostra que hoje 31% dos projetos de transformação digital estão sob o comando do CIO, enquanto 33% são gerenciados pelo CIO com participação ativa do marketing (CMO) e sua equipe, e 24% dos projetos são dirigidos pelo CMO tendo o CIO como coadjuvante e sua equipe.

Isso confirma o fato de 61,5% das empresas considerarem fundamental integrar marketing e TI na estratégia de transformação digital, e de 68% das empresas acharem importante reduzir a dependência da TI nesses projetos.

Mas, além de ter de dividir sua influência com o diretor de marketing, o CIO hoje assiste ao surgimento de um novo posto cada vez mais influente, o CDO (chief digital officer), profissional que conhece TI e negócios e se movimenta com facilidade por todas as áreas da empresa.

Entre as empresas que já estão desenvolvendo algum projeto de transformação digital dos negócios, 55% disseram que planejam construir aplicativos que suportem o envolvimento do cliente, enquanto 45% esperam construir e gerenciar propriedades web. As abordagens atuais para os negócios digitais são conteúdo web  (75%), e-commerce (63%) e mídias sociais (61%).

As duas principais metas para os próximos 12 meses para o negócio local são melhorar a experiência do cliente, escolhida por 73% dos entrevistados, e expandir o alcance da marca e do mercado, resposta de 49% dos executivos entrevistados.

O estudo baseia-se em informações coletadas junto a 700 empresas globais, de dez países e 11 setores (desde varejo, bens de consumo, manufatura, serviços financeiros, telecomunicações até transporte e logística)

O vice-presidente da Progress para América Latina e Caribe, Matthew Gharegozlou, chama atenção para o fato de que, embora esteja um pouco mais atrasado na adoção da transformação digital do que os países da Europa e os Estados Unidos, os desafios enfrentados pelo Brasil são os mesmos verificados no mercado mundial.

Para ele, o desafio número um para adesão a transformação digital é o aspecto cultural. “Muitas empresas acham que têm as mesmas condições de competir no mercado com os recursos [tecnológicos] que já tinham antes”, diz Gharegozlou, ao citar com exemplo do novo cenário de competitividade o surgimento do Uber, que hoje é uma das maiores empresas de transporte individual de passageiros do mundo. “O Uber não tem nem um ano no mercado, mas tem um diferencial importante: o aplicativo. E a empresa que não tiver um aplicativo bom vai perder mercado.”

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile