EMS e Bosch firmam parceria estratégica para implementar primeira Indústria 4.0 no setor farmacêutico na América Latina

0
0

O laboratório farmacêutico EMS está contando com a multinacional Bosch para implementar máquinas conectadas em seu parque fabril e tornar a produção mais inteligente e eficiente, trazendo um crescimento significativo na capacidade produtiva nos próximos 3 a 5 anos.

O laboratório é o primeiro do setor farmacêutico na América Latina a adotar soluções da indústria 4.0 e a implementação ocorrerá, inicialmente, por meio de um projeto piloto em uma linha de embalagem de medicamentos e no processo de Gerenciamento da Manutenção. A expansão dessa tecnologia para outras linhas e equipamentos, bem como para o restante da cadeia produtiva, desde a entrada da matéria-prima até a saída do produto final, deve ser o próximo passo da parceria.

Nesse primeiro momento, a Bosch desenvolveu um software específico para a indústria farmacêutica, chamado Pharma i 4.0 Solution Platform, um Manufacturing Execution System (MES). O programa será instalado nas máquinas que a EMS já possui em Hortolândia, transformando-as em equipamentos mais conectados, seguindo o conceito de "fábricas inteligentes".

Além disso, toda a manutenção será informatizada, permitindo o registro dos serviços executados em tempo real, bem como proporcionando maior velocidade e assertividade na análise das causas das falhas e solução dos problemas.

Na indústria 4.0, os sistemas monitoram os processos físicos, criam uma replicação virtual e tomam decisões descentralizadas com base nos dados levantados pelos computadores, possibilitando a identificação e resolução de erros de forma mais rápida e assertiva. Com a ferramenta da Bosch, é possível analisar e armazenar uma grande quantidade de informações ao mesmo tempo, de forma dinâmica, rápida e eficiente.

O sistema grava informações de vários equipamentos de produção e as armazena centralmente. Para transferência de dados de forma precisa, o Pharma i 4.0 Solution Platform é calibrado para usar as máquinas Bosch, além disso, com uma interface eletrônica adequada, a solução também pode ser usada com eficiência em equipamentos de produção de terceiros.

A utilização da inteligência artificial na indústria tem uma série de pontos positivos, como ganho de eficiência, elevação da produtividade, economia e otimização dos recursos, diminuição de chance de erro humano, redução do tempo de parada inesperada das máquinas e do gasto de energia, além da possibilidade de emissão de relatórios de dados ("Big Data"), que podem gerar informações conforme a necessidade da empresa.

Dessa maneira, o trabalho que antes era operacional, passa a ser, cada vez mais, automatizado, sendo controlado por inteligência artificial. Nesse cenário, o colaborador passa a assumir um papel mais estratégico, agindo como analista dos dados levantados pelos computadores, podendo tomar algumas decisões com base nas informações coletadas, relacionadas, por exemplo, à eficácia do equipamento ao estoque disponível de material, a interrupções ou a danos em determinada peça. Isso permite identificar a origem dos problemas e os pontos com potencial de otimização.

A princípio, será realizado um projeto piloto – para teste e identificação de pontos de melhoria – em uma das quatorze linhas automatizadas da unidade de embalagens de medicamentos sólidos, que opera no moderno complexo fabril da EMS, em Hortolândia. As instalações do projeto piloto terão início em junho de 2018, com entrega completa prevista para o fim do ano.

Os colaboradores da empresa serão guiados passo a passo para utilizar o Pharma i 4.0 Solution Platform, da instalação ao controle de processos. Serão qualificados para operarem as máquinas no novo modelo e estarão conectados em tempo real com técnicos da Bosch.

Deixe seu comentário