Gartner divulga roteiro de investimentos dos governos em TI ao longo de 2021

0
60

À medida que a transformação digital avança com novas ferramentas e profundas mudanças nos rumos da economia global, gestores públicos de todo o mundo se veem diretamente forçados a buscarem soluções para reduzir os custos e maximizar a performance de suas operações. Nesse cenário, o Gartner anuncia pesquisa com as dez principais tendências de tecnologia para Governos em 2021, com recursos que têm o potencial de acelerar a digitalização e otimizar a oferta de serviços públicos.

De acordo com os analistas do Gartner, as dez principais tendências tecnológicas estratégicas para uso de Governo neste ano surgem dos desafios criados pela pandemia e da necessidade de modelos operacionais flexíveis que suportem interrupções significativas.

"A pandemia de COVID-19 estimulou a aceleração da inovação digital em todo o setor governamental ao redor do mundo, apresentando aos líderes da área pública novas oportunidades de usar dados e tecnologias para construir confiança, agilidade e resiliência em instituições públicas", diz Rick Howard, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. "Embora os desafios relacionados à crise sanitária já estejam em curso há algum tempo, é importante notar que também vemos o surgimento de tendências tecnológicas que abordam outros pontos críticos, em áreas como segurança, contenção de custos e experiência do cidadão."

A lista de tendências tecnológicas estratégicas do Gartner está diretamente ligada à administração pública e às questões políticas que os líderes governamentais devem abordar. Os Chiefs Information Officer (CIOs) de Governo podem usar essa lista para identificar as tendências de tecnologia que melhor atendem às suas prioridades de recuperação pós-pandemia e estabelecer a lógica, o momento e a prioridade dos investimentos em tecnologia.

1-Modernização legada acelerada – Os Governos experimentaram as limitações e os riscos impostos por infraestruturas e sistemas centrais herdados de décadas. Para estarem melhor preparados para lidar com a próxima interrupção, os executivos de TI da área pública estão acelerando a mudança para arquiteturas modulares e modernas. Embora a necessidade de modernização das estruturas legadas não seja nova para os líderes de tecnologia do ambiente público, o fato é que a pandemia de Covid-19 tem acelerado e potencializado os desafios em relação à transformação dos recursos, aumentando a consciência dos riscos resultantes da manutenção de ambientes obsoletos ou inadequados à realidade. O Gartner prevê que, até 2025, mais de 50% das agências governamentais terão modernizado suas aplicações e estruturas de TI para melhorar a resiliência e a agilidade de seus processos.

2-Segurança Adaptativa – Uma abordagem de segurança adaptativa trata o risco, a confiança e a segurança como um processo contínuo e adaptável que antecipa e atenua as ameaças cibernéticas em constante evolução. Esta abordagem apresenta componentes para previsão, prevenção, detecção e resposta às ameaças. Esse método renuncia às noções tradicionais de perímetro, assumindo que não há limite entre seguro e inseguro, uma mudança conceitual necessária dada a migração para serviços em Nuvem. O Gartner prevê que 75% dos CIOs do setor de Governo serão diretamente responsáveis pela segurança fora de TI até 2025, incluindo ambientes operacionais e de tecnologia de missão crítica.

3-Qualquer coisa como serviço (XaaS) – O XaaS é uma estratégia de sourcing em Nuvem que abrange a aquisição de uma gama completa de serviços de negócios e TI por assinatura. A resposta à pandemia e a necessidade crítica de entrega de serviços digitais exacerbaram as pressões para modernizar aplicações e infraestruturas legadas. O XaaS oferece uma alternativa para a modernização da infraestrutura herdada, fornece escalabilidade e reduz o tempo de entrega de serviços digitais. O Gartner prevê que 95% dos novos investimentos em TI feitos por agências governamentais serão feitos como uma solução de serviço até 2025.

4-Gerenciamento de caso como serviço (CMaaS) – O trabalho de caso é o estilo de trabalho predominante do governo, com todo o portfólio pesado de legado de soluções monolíticas de ponto de gerenciamento de casos encontrado em muitos departamentos. CMaaS é uma nova maneira de construir agilidade institucional aplicando princípios e práticas de negócios combináveis para substituir os sistemas de gerenciamento de casos legados por produtos modulares que podem ser rapidamente montados, desmontados e recompostos em resposta às necessidades de negócios em constante mudança. O Gartner prevê que, até 2024, as organizações governamentais com uma arquitetura de aplicativo de gerenciamento de casos combinável implementarão novos recursos pelo menos 80% mais rápido do que aqueles sem.

5-Identidade Digital do Cidadão – A identidade digital é a capacidade de provar a identidade de um indivíduo por meio de qualquer canal digital oferecido pelo governo e que esteja disponível para os cidadãos, o que é fundamental para a inclusão e o acesso aos serviços públicos. Os ecossistemas de identidade digital estão evoluindo rapidamente e levando os governos a assumir novos papéis e responsabilidades. O tópico está no topo das agendas políticas, portanto, os CIOs do governo devem vincular a identidade digital a casos de uso relevantes. O Gartner prevê que um verdadeiro padrão de identidade global, portátil e descentralizado surgirá no mercado em 2024, para tratar de casos de uso de negócios, pessoais, sociais e sociais e de identidade invisível.

6-Empresa governamental compostável – A empresa governamental composta é qualquer organização governamental que adota princípios de design combinável. Isso permite que eles ampliem a reutilização de recursos e se adaptem continuamente às mudanças nas expectativas regulatórias, legislativas e públicas. Os CIOs estão adotando um governo composto para superar as abordagens existentes e isoladas para gerenciar serviços, sistemas e dados que limitam a capacidade dos governos de se adaptarem às necessidades em rápida evolução da sociedade digital emergente. O Gartner prevê que 50% das empresas de tecnologia que fornecem produtos e serviços para as administrações públicas oferecerão recursos de negócios em pacotes para dar suporte a aplicações combináveis até 2023.

7-Compartilhamento de dados como um programa – O compartilhamento de dados geralmente é ad hoc no governo, impulsionado por casos de uso de alto perfil, como incidentes de proteção à criança ou violência de gênero, que não podem ser facilmente generalizados. O compartilhamento de dados como um programa o transforma em um serviço escalonável, com vários recursos reutilizáveis, apoiando a busca por abordagens mais combináveis na prestação de serviços governamentais. O Gartner prevê que, até 2023, 50% das organizações governamentais estabelecerão estruturas formais de responsabilidade para o compartilhamento de dados, incluindo padrões para estrutura, qualidade e oportunidade dos dados.

8- Serviços públicos hiperconectados – Os serviços públicos hiperconectados são o uso de várias tecnologias, ferramentas ou plataformas por todo o governo para automatizar o máximo possível de processos de negócios e TI. Os CIOs do governo podem usar princípios e práticas de hiperautomação para desenvolver processos de negócios ponta-a-ponta sempre conectados e altamente automatizados e serviços públicos que requerem intervenção humana mínima. O Gartner prevê que, até 2024, 75% dos governos terão pelo menos três iniciativas de hiperautomação em toda a empresa lançadas ou em andamento.

9- Engajamento multicanal do cidadão – A participação direta dos cidadãos com os governos atingiu novos patamares em 2020, à medida que as comunidades lidavam com a pandemia, incêndios florestais, furacões e outros eventos. O engajamento multicanal do cidadão é um envolvimento bidirecional e contínuo com os constituintes para além das fronteiras organizacionais, ao mesmo tempo em que há uma oferta de experiência personalizada, usando os canais preferidos e mais eficazes para alcançá-los. O Gartner prevê que mais de 30% dos governos usarão métricas de engajamento para rastrear a quantidade e a qualidade da participação dos cidadãos nas decisões políticas e orçamentárias até 2024.

10- Análise Operacionalizada – Análise operacionalizada é a adoção estratégica e sistemática de tecnologias orientadas a dados, como Inteligência Artificial (IA), Aprendizado de Máquina e Análises Avançadas, em cada estágio da atividade governamental para melhorar a eficiência, eficácia e consistência da tomada de decisões. Os tomadores de decisão podem tomar melhores decisões operacionais baseadas no contexto em tempo real para melhorar a qualidade da experiência dos cidadãos. O Gartner prevê que, até 2024, 60% dos investimentos em Inteligência Artificial e análise de dados do governo visam impactar diretamente as decisões e resultados operacionais em tempo real.

Deixe seu comentário