Qual o segredo da gestão ágil de projetos?

0
33

Como medidas de segurança contra a propagação do novo coronavírus, o home office passou a ser adotado em grande escala pelas empresas e se tornou uma dinâmica de trabalho altamente relevante durante esse período de quarentena. Contudo, a mudança da rotina das organizações e o deslocamento dos colaboradores, que passaram a executar suas tarefas em suas casas, estão provocando mudanças no mercado de trabalho. Reuniões virtuais e atividades remotas ganharam força com o isolamento social.

Mas esse não é o único reflexo da covid-19 no mundo corporativo. Para muitas empresas, a dinâmica do trabalho remoto ainda é um grande desafio. Em parte pela evidente necessidade de mudança de cultura para muitas companhias resistentes a este formato de trabalho, ou também, pela falta de processos bem desenhados para trabalhar em ambientes 100% remoto. Outro impacto do home office é que um grupo considerável de organizações não tinha aparato tecnológico para fazer uma transição eficiente e para executar tarefas de forma ágil, muito menos acompanhar todos os processos em tempo real.

No entanto, não é aceitável cruzar os braços diante dessa situação e para superar essa adversidade, algumas metodologias são úteis para ajudar na gestão ágil de projetos e na organização do trabalho remoto.

Metodologia ágil e o modelo eficiente de entrega de projetos

As metodologias ágeis, ou agile, muito comuns para quem trabalha com TI, vem ganhando espaço cada vez maior em diversos setores. A padronização de processos e de práticas de gestão de projeto tem sido adotada pelas empresas como forma de trazer muito mais agilidade, produtividade, engajamento, transparência e rapidez no desenvolvimento de projetos.

Modelos tradicionais de gerenciamento de projetos estruturam ciclos longos de execução e, na contramão desse método de trabalho, as metodologias ágeis propõem ciclos curtos de desenvolvimento.

A principal diferença entre os modelos tradicionais de gerenciamento de projetos e os métodos ágeis é que, nos primeiros, todo o percurso do projeto é desenhado e planejado antes da execução e implementação. Outra diferença da metodologia ágil é a possibilidade de contar com indicadores de desempenho essenciais para negócios digitais. Listo abaixo os 3 principais KPIs ágeis para mensurar os resultados.

1) Burndown chat: gráfico utilizado para representar diariamente o progresso do trabalho em desenvolvimento. Após cada dia de trabalho, o dashboard disponibiliza uma porção de trabalho finalizada em comparação com o trabalho total planejado. Tem a finalidade de revelar o tempo de trabalho executado x o tempo que você propôs para a entrega.

2) Número de atividade: quanto mais tarefas são finalizadas ao final do bloco de atividade, maior será  o nível de performance do seu time. Mas é claro que não são tarefas aleatórias. Deve-se focar na qualidade e no retorno que traz para o business. Só assim será possível mensurar a eficiência dos resultados da equipe.

3) KPI relacionado ao negócio: além de ter um indicador de funcionalidade, também é essencial contar com uma métrica voltada para o negócio. O objetivo aqui é claro: validar o que está sendo feito e se retorna valor agregado para a empresa.

Impacto da metodologia ágil nas receitas

Com vimos, o método ágil é uma excelente opção para eliminar gaps no desenvolvimento de projetos e potencializar entregas. A soma desses fatores nos permite traçar um paralelo entre os benefícios da metodologia ágil com o incremento do faturamento. E a razão é, em boa parte, pela máxima de que entregas de serviço em ambientes digitais tem tudo a ver com custo de oportunidade.

Além disso, quanto mais rápido você for na entrega dos serviços, e maior for a qualidade do produto, maior é a possibilidade de concretizar melhores resultados para o seu negócio, criando assim uma probabilidade maior de aumento de receitas, o famoso time-to-market.

Home office "eterno"

Recentemente, o Twitter anunciou que pretende estender home office após a pandemia. Essa é só uma amostra que o home office é uma tendência promissora e que veio para ficar. Segundo levantamento feito pela FGV, o número de empresas brasileiras que pretende adotar o trabalho remoto após o período de isolamento deve crescer 30%. O estudo abordou gestores e tomadores de decisão de 100 empresas.

Além das vantagens de reduzir o custo de infraestrutura para as empresas, o home office abriu outro precedente. Antes, pela necessidade de trabalho presencial, a empresa contratava um novo colaborador com moradia perto do escritório. Agora, a localização do candidato não é mais importante e a pessoa pode ser contratada de qualquer lugar. Pode ser um fator para aumentar a oferta de trabalho.

Entender que métodos ágeis de gestão de projetos podem potencializar a dinâmica do home office é fundamental para quem deseja sobreviver no Novo Normal. Mas os benefícios das metodologias ágeis não cabem só para esse momento de crise. Servem para a sobrevivência dos negócios de modo geral e para o futuro da relação de trabalho.

Rafael Messias, diretor de Produto da Organize Cloud Labs.

Deixe seu comentário