Estudo da Alelo revela que 75% dos profissionais que trabalham em home office se consideram extremamente felizes

0

Pesquisa realizada pela Alelo, bandeira especializada em benefícios, incentivos e gestão de despesas corporativas, fornece informações e tendências sobre o futuro do trabalho, abordando diversas áreas afetadas pelas mudanças ocorridas após o início da pandemia. O estudo, realizado com mais de 2,7 mil colaboradores de todo Brasil, em dezembro de 2021, avaliou as adaptações e percepções quanto ao home office, as mudanças dos hábitos alimentares e a segurança financeira dos colaboradores durante a pandemia.   

A maior parte dos respondentes da pesquisa realizada (66%) afirmou que permaneceu frequentando o local de trabalho presencialmente durante a pandemia, enquanto 33% aderiram totalmente o modelo remoto ou o modelo híbrido. Já em relação ao processo de adaptação, 56% alegaram que se adequaram muito bem e melhor do que atuando presencialmente. Desses, 75% se consideram extremamente felizes e 29% já possuíam um espaço de trabalho dedicado para atendê-los nessa nova estrutura.   

Entre os prós e contras identificados no trabalho remoto, destacam-se como pontos positivos: (i) utilizar o tempo de deslocamento até o escritório para outras atividades (50%); (ii) ter mais tempo para estar com a família (44%); e (iii) conciliar atividades do emprego e de casa (40%). Por outro lado, as pessoas sentem falta de estar com os colegas de trabalho (38%) e mencionam o fato de não ter uma estrutura adequada de trabalho em casa (23%).     

No mais, 41% dos respondentes acreditam que o home office contribui positivamente para aumento de produtividade e foco.   

A pesquisa permite ainda correlacionar a formato de trabalho com a renda. Considerando quem recebe uma renda mensal de até R? 3.135,00, 57,5% têm preferência pelo trabalho presencial, enquanto os maiores percentuais daqueles que têm preferência por trabalho 100% remoto estão entre quem ganha acima de R? 5 mil.   

Porém, o trabalho remoto ainda não é uma prioridade levada em conta em propostas de emprego, de acordo com a maioria dos respondentes (53%). Já 32% afirmam ser um critério importante, mas não decisivo e 14% alegam que esse é um fator essencial para a decisão.   

Hábitos alimentares   

Levando em consideração as mudanças de hábitos alimentares durante a pandemia, para quase metade dos participantes (46%) não houve nenhuma alteração. Dentre as pessoas que continuaram indo presencialmente até o local de trabalho, 56% não tiveram alteração nos hábitos alimentares. Já 39% passaram a comer mais comida feita em casa, sendo que dentre estas pessoas, 68% trabalharam de casa durante todo esse período. Por fim, 14% dos respondentes destacaram que começaram a pedir mais refeições prontas em aplicativos de delivery/ para retirar.   

O estudo mostra também que nesse período, 27% afirmaram que buscaram por comidas mais saudáveis e orgânicas, enquanto 15% acabaram consumindo alimentos mais calóricos, como hambúrguer, pizzas e doces.   

Segurança financeira   

Considerando uma escala onde o respondente precisava selecionar o nível de segurança que mais se identificava naquele momento, em geral, apenas 17% dos respondentes se sentem muito seguros financeiramente. Levando em conta esse grupo, 20% é composto por pessoas que foram promovidas na mesma empresa em que já trabalhavam, bem como 87% delas se sentem totalmente ou relativamente seguras ao afirmarem ser bem improvável perder o emprego ou a fonte de renda momentânea.   

Vale ressaltar que 53% das pessoas que se sentem muito seguras financeiramente, se pudessem escolher, optariam em trabalhar em um modelo 100% presencialmente. Importante também mencionar que 30% das pessoas que se sentem muito seguras financeiramente não tem filhos.   

Os grupos que se consideram seguros financeiramente são aqueles nas faixas de renda acima de R? 5 mil. Ao estratificarmos por renda, destacamos a faixa de renda entre R? 10.451,00 até R? 15.675,00, em que este percentual é 32%. Já na visão por idade, destaca-se o grupo de 35 a 39 anos, com 19,4% que se sentem muito seguros financeiramente.   

Agora, ao avaliarmos os 33% que não se sentem seguros financeiramente, 63% destes não tiveram nenhuma movimentação no cargo ou salário, além de 21% se sentirem muito ou relativamente inseguros com a possibilidade de perder o emprego/fonte de renda. Na visão por renda, 63% deles recebem até R? 1.045,00. Por idade, destaca-se a faixa de até 19 anos, com 50%.   

Já em relação ao modelo de trabalho, 58% das pessoas que trabalharam em casa (totalmente ou parcialmente) se sentem seguras financeiramente. Esse percentual cai para 50% entre aqueles que continuaram indo presencialmente e para 41% para quem já trabalhava de maneira remota antes da pandemia. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui