Transformação Digital é o meio, não o fim

0
15

Os termos que se tornam hype, normalmente, podem virar ofertas de diversos prestadores de serviço ou serem utilizados em contextos amplos, que o significado central acaba perdido ou mal entendido, como a "Transformação Digital". O termo da vez tem virado alvo de compras e vendas, meta estratégica, tese de mestrado, etc. No entanto, apesar desta alta trazer bastante atenção para a necessidade de investir em tecnologias digitais, acaba escondendo a real essência: transformação digital é o meio, um caminho – e não o fim.

É sobre este fim, que deve ser traduzido como melhorar a experiência do cliente, que nem sempre fala-se o suficiente. A competição por clientes e sua atenção aumentou exponencialmente com o uso de meios digitais (mobile, internet das coisas, big data, redes sociais, nuvem etc.). Estas são ferramentas para que empresas possam ser mais ágeis e flexíveis para fidelizar os clientes atuais, se tornar referência, e ganhar novos clientes.

O mundo digital traz competitividades bastante diferentes:

  1. Muito menos tempo do seu cliente/público-alvo dando atenção ao seu produto, serviço ou marca;
  2. Muitas opções alternativas a um clique, caso sua empresa não atenda às expectativas dele de qualidade, prazo e praticidade.

O cliente sempre foi o rei e agora, ele tem poderes imediatos. A pergunta é: como as empresas entregam mais valor ao cliente com essas novas ferramentas? E, como conseguem se destacar para atender suas reais expectativas?

Apesar de conhecer as novas tecnologias e tendências ser imperativo, pensar na solução antes é um dos principais erros em qualquer processo de transformação digital, o que resulta em compras desnecessárias ou soluções engessadas pela falta de planejamento.

Veja que a ordem dos fatores, neste caso, altera o resultado: depois de conhecer as tendências e fundamentos, a primeira preocupação é sobre o cliente e sua jornada, depois sobre as novas soluções digitais que podem ajudar a entregar essa experiência da melhor forma possível.

Novas capacidades do mundo digital

Apesar de existirem inúmeras soluções possíveis com as tecnologias digitais, há algumas capacidades e tendências principais que direcionam a maior parte das decisões:

Entenda a jornada do cliente, não do seu produto:

E, nesse contexto, a integração com parceiros é chave. Mesmo o tempo sendo um recurso cada vez mais escasso, se o produto ou serviço não estiver facilmente acessível dentro da jornada de compra/uso do cliente, ele substituirá por uma solução disponível naquele momento específico.

Por outro lado, se a jornada do cliente já acontece dentro de um domínio seu, entenda quais valores adjacentes podem ser inseridos para que a experiência seja a melhor possível. A especialização no seu core business não significa isolamento, muito pelo contrário, pois ao se aproximar parceiros você entrega valor em quantidade e qualidade que, isoladamente, seria impossível.

Capilaridade e agilidade

Alguns dos maiores valores da mobilidade são unir o digital ao físico e dar o poder de escolha ao cliente. Na verdade, hoje o cliente quer usar o canal que melhor convém a si mesmo. Porém, são poucas as empresas que conseguem criar boas experiências de consumo nos diversos canais. Muito menos se for necessário mudar o canal de interação no meio do uso.

Por isso é importante pensar na qualidade de acesso a dados e serviços internos para a criação de aplicações de forma rápida, e de experiências que ainda não existem, mas que enriquecerão as  operações de estratégias omnichannel.

Independente da estratégia escolhida para gerar valor para o cliente, o que a transformação digital traz à tona é a necessidade de agir de forma rápida e constante para criar as melhores experiências para clientes – sejam elas em múltiplas plataformas, com chat bots, integrados a parceiros ou mesmo com parceiros integrados à sua empresa.

Este fato traz grandes responsabilidades sobre os times envolvidos em Desenvolvimento de Produtos e TI, que precisam não só entender as demandas e jornadas de seus clientes, mas principalmente garantir que as capacidades de criação ágil estão disponíveis – tanto para o futuro, quanto para um cenário de inovação aberta.

Um ótimo exemplo disso é o recente lançamento do banco digital Next, pelo Bradesco (veja mais). Apesar de ser um banco totalmente novo, com serviços conectados, a essência dele (o core banking) é o mesmo do Bradesco – a diferença foi o uso de APIs sobre o Core Banking para que as aplicações envolvidas no Next pudessem ser desenvolvidas mais rapidamente e com possibilidades de conexão com parceiros.

A criação e disponibilização de APIs (interfaces de programação de aplicações) de uma forma consistente e gerenciada são defendidas pelos maiores especialistas em transformação digital como o building block central e inicial. Isso porque APIs possibilitam, a partir da exposição escalável e controlada de serviços internos, tanto a criação de novas aplicações, quanto a integração com parceiros.

Descer mais um nível e pensar se a Arquitetura de TI e serviços internos estão prontos para isso são também essenciais para boas APIs, principalmente em empresas com uma grande quantidade de serviços legados.

Luiz Piovesana, head de Marketing da Sensedia.

Deixe seu comentário