Inteligência Artificial traz oportunidades para empresas empenhadas no combate às mudanças climáticas

0
57

Estudo recente do Boston Consulting Group (BCG) indica o aumento da pressão pelo combate ao aquecimento global por parte das empresas, com consumidores, órgãos reguladores e investidores atentos ao impacto ambiental de negócios dos mais variados setores.

Especialistas ouvidos pela consultoria concordam que uma coisa é falar sobre a importância da redução das emissões de gases de efeito estufa, outra é tomar ações concretas, ainda mais no cenário econômico atual, fortemente impactado pela pandemia de COVID-19. As dificuldades e obstáculos envolvidos na medição, redução e compensação das emissões de carbono levaram várias empresas a adiar esses esforços para depois do fim da pandemia.

"Muitos líderes de negócios ainda não perceberam que a inteligência artificial (IA) pode ajudar a virar esse jogo por sua capacidade de fornecer insights profundos em diversos aspectos da pegada de carbono das empresas, além de indicar medidas eficientes para redução de emissões e custos", afirma Henrique Sinatura, sócio do BCG e líder do BCG GAMMA no Brasil, braço da consultoria focado na geração de valor através de soluções de Advanced Analytics e IA. "Trata-se de uma alternativa promissora rumo à transformação sustentável e redução de gastos em um cenário desafiador como o atual. Empresas de grande porte, com acesso a enormes conjuntos de dados – fator de grande importância na implantação da IA – podem ter ganhos significativos".

Potencial

De acordo com a organização sem fins lucrativos Carbon Disclosure Project, atualmente as emissões globais de gases de efeito estufa giram em torno de 53 gigatoneladas. Para cumprir a meta de limitar o aumento das temperaturas médias globais a 1,5 ° C, conforme especificado no Acordo de Paris de 2016, será necessário reduzir essas emissões em 50% até o final desta década.

"Em nossa experiência com clientes, o uso da IA pode contribuir com 5% a 10% da redução necessária, ou seja, entre 2,6 e 5,3 gigatoneladas de CO2", completa Sinatura. "Além disso, o impacto potencial da aplicação da IA em iniciativas de sustentabilidade corporativa pode chegar a 2,6 trilhões de dólares em valor gerado por meio de receitas adicionais e economia de custos até 2030".

O grande diferencial da IA é a habilidade de aprender por meio da experiência, coletando grandes quantidades de dados do ambiente, intuindo conexões que os humanos podem não notar e recomendando ações apropriadas com base nessas conclusões. A fim de obter todos os benefícios do uso da IA na redução da pegada de carbono das empresas, é importante que os líderes de negócios priorizem as áreas com altas emissões e custos significativos – especialmente aquelas com um período de retorno potencial de menos de 24 meses.

"A IA já demonstrou seu valor de curto prazo, ajudando as empresas a reduzir as emissões de gases de efeito estufa e no corte de custos. Ao gerar um ROI positivo, geralmente dentro de um ano, ela deixa de ser mais um custo para se tornar um benefício financeiro", completa Jorge Hargrave, diretor do BCG e colíder de Mudanças Climáticas no Brasil. "A solução pode ser especialmente valiosa tanto no curto prazo – momento em que as empresas se recuperam da crise do COVID-19, na redução de custos e no início da transição para um futuro de baixo carbono – quanto no longo prazo. À medida que o preço das emissões de carbono aumenta e os avanços permitem que a IA lide com questões climáticas mais complexas, a tecnologia se tornará cada vez mais importante na mitigação dos efeitos do aquecimento global".

As empresas que buscam reduzir a pegada de carbono devem aplicar a IA em três frentes:

Monitoramento: As empresas podem usar a engenharia de dados alimentada por IA para rastrear automaticamente as emissões em toda a sua pegada de carbono. Além disso, é possível organizar a coleta de dados de operações, de atividades como viagens corporativas e equipamentos de TI e de todas as partes da cadeia de valor, incluindo fornecedores de materiais e componentes, transporte e até mesmo usuários posteriores de seus produtos.

• Previsão: modelos preditivos de IA são capazes de antecipar as emissões futuras em toda a pegada de carbono de uma empresa em relação aos esforços de redução atuais, novas metodologias de redução de carbono e demanda futura. Como resultado, é possível definir, ajustar e atingir metas de redução de forma mais precisa.

• Redução: Ao fornecer uma visão detalhada de cada aspecto da cadeia de valor, a IA prescritiva e a otimização podem melhorar a eficiência na produção, transporte e outros lugares, reduzindo assim as emissões de carbono e cortando custos.

O estudo pode ser acessado aqui.

Deixe seu comentário