CEOS brasileiros se unem contra o coronavírus

0
0

Para conter o avanço da Covid-19 pelo Brasil, mais de 600 empresas nacionais aderiram ao #stopthespread, movimento internacional que convida o setor privado a implementar medidas para reduzir a propagação da doença pelo país. Criada nos EUA por Rachel Romer Carlson, cofundadora e CEO da Guild Education, unicórnio de tecnologia educacional, a iniciativa já conta com a adesão de mais de 850 CEOs e investidores estadunidenses.

Ao aderirem ao movimento os empreendedores assumem o compromisso de tomar medidas como adotar o trabalho remoto, sugerir aos funcionários que parem de realizar ou de participar de eventos públicos sociais, oferecer apoio a socorristas e profissionais de saúde (que estão na linha frente no combate à doença) e auxiliar fornecedores e prestadores de serviço autônomos que não podem trabalhar remotamente, pagando por seus serviços, mesmo que eles sejam prestados depois.

Uma das empresas brasileiras participantes do movimento de cooperação é a Track, startup que monitora e gerencia indicadores de experiência de clientes em tempo real, por meio de canais digitais. "Estamos em um momento de resguardo e o melhor a ser feito agora é colocar em prática ações que zelem pela saúde dos nossos colaboradores e incentivá-los a fazer o mesmo, criando uma corrente do bem que beneficie o coletivo", analisa Tomás Duarte, CEO da startup.

Além de Duarte, também aderiram à iniciativa os empreendedores Eduardo L'Hotellier, fundador e CEO do GetNinjas, Rafael Carvalho, COO da HeroSpark, Patrick Negri, CEO da iugu, Rafael Moura, CEO da I wanna sleep, e Guilherme Junqueira, CEO da Gama Academy. "Acho importante os empreendedores usarem o seu poder de liderança e a influência para incentivar mais empresários a fazerem o mesmo", explica Junqueira. Além de adotar o modelo de trabalho remoto, a Gama também adaptou todas as aulas presenciais para onlines.

Segundo Patrick Negri, CEO da iugu, o Brasil vive uma fase delicada e o melhor a se fazer no momento é buscar soluções que reduzam o impacto da doença no país. "Além do home office, adotamos ferramentas que otimizam a realização do trabalho em casa e fornecemos instruções de isolamento e higienização a todos os nossos colaboradores", afirma. "Acreditamos que o autocuidado e o pensamento em prol do bem coletivo são os pontos cruciais para conseguirmos superar esse momento crítico", finaliza.

Deixe seu comentário