Consórcio liderado pela chinesa Apex Technology compra Lexmark por US$ 3,6 bilhões

0
1

A fabricante de impressoras Lexmark International concordou em ser adquirida pelo grupo de investidores liderado pela Apex Technology, sediada na China, e a PAG Asia Capital, em um acordo avaliado em US$ 3,6 bilhões, que serão pagos em dinheiro, disse a empresa. A Legend Capital Management também é uma das participantes do consórcio.

Segundo a Lexmark, a transação foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração. Os acionistas da fabricante de impressoras receberão US$ 40,50 por ação que detêm, o que representa um prêmio de 30% sobre o preço de fechamento das ações da companhia no dia 21 de outubro de 2015, quando anunciou que começaria a avaliar alternativas estratégicas.

Em comunicado, a Lexmark diz que a transação é o resultado de uma análise exaustiva de alternativas empreendidas pelo Conselho de Administração da companhia, com o auxílio de assessores, que teve como objetivo maximizar o valor da companhia para os acionistas e alcançar o valor intrínseco da empresa.

O consórcio tem a intenção de manter a sede corporativa da Lexmark em Lexington, no Estado do Kentucky, nos EUA, e espera que Paul Rooke, presidente e CEO de Lexmark, permaneça à frente da empresa depois da conclusão da transação.

A expectativa é também que os dois grupos da Lexmark (Soluções de Imagens & Serviços e Softwares Empresariais), assim como as operações regionais e nacionais da companhia, continuem sem ser afetadas e sejam beneficiadas pela transação do ponto de vista estratégico e financeiro.

A fusão é financiada por meio de aportes de capital do Consórcio e de financiamento da dívida. A fusão não está sujeita a uma condição de financiamento. Devido à conclusão da transação, as ações ordinárias da Lexmark deixaram de ser negociados na Bolsa de Valores de Nova York.

A previsão é que o negócio seja concluído no segundo semestre deste ano, após a aprovação das agências reguladoras dos EUA, incluindo o Comitê de Investidores Estrangeiros, pela China e por outras jurisdições, bem como por outras condições de fechamento habituais.

O Conselho de Administração da Lexmark também declarou que seus dividendos trimestrais em efetivo foram de US$ 0,36 por ação comum classe A. Os dividendos pagos no dia 17 de junho aos acionistas registrados no fechamento das operações na Bolsa no dia 3 de junho de 2016.

A Lexmark não realizará a conferência telefônica com analistas e investidores relativa aos resultados do primeiro trimestre deste ano e não se espera que volte a ocorrer nos próximos trimestres, enquanto a transação ainda estiver pendente.

O Goldman Sachs está atuando como assessor financeiro exclusivo da Lexmark, e o escritório Wachtell, Lipton, Rosen & Katz está trabalhando como assessores legais da empresa.

"Esta é uma transação que o Conselho de Administração da Lexmark entende como benéfica para os interesses de seus acionistas, depois de um processo exaustivo de avaliação de alternativas estratégicas para maximizar o valor da companhia", disse Paul Rooke, presidente e CEO da Lexmark. "A transação beneficiará nossos clientes e abrirá novas oportunidades para nossos empregados."

Deixe seu comentário