Empresas têm espaço para ganhar no comércio online-to-offline

0
19

O e-commerce não matou o comércio em lojas físicas. Ao contrário de muitas previsões cabalísticas sobre o fim das lojas físicas, a tendência das empresas é unir sua operação tradicional à sua plataforma online, em especial com dispositivos móveis. É o que acredita Felipe Fioravante, CEO do iFood, que participou de painel no Fórum Mobile+, que acontece até esta quarta-feira, 23, no WTC, em São Paulo.

"Aquela ideia que o online mataria o offline não existe, mas existe uma oportunidade imensa de integrar os dois", disse Fioravante. "Nos últimos 12 meses, as empresas perceberam a oportunidade de serviços na ligação online para o off-line (O2O)".

Fiovarante completou dizendo que, os empresários devem pensar na estratégia online na mesma proporção do mundo físico. "Se achar que consegue fazer um bom serviço offline sem pensar no online, uma empresa pode ir ao fracasso", enfatiza o executivo da plataforma de delivery de alimentos.

Para Carlos Curioni, CEO e fundador da plataforma de venda de artesanato Elo 7, o mobile permite ampliar a possibilidade de interação com o cliente, como ao utilizar câmeras, geolocalização e carteira digital em tempo real.

Atraindo o cliente

Durante uma sessão de perguntas e respostas, os executivos foram abordados por questões sobre a fidelização de clientes. O CEO da Elo 7 apontou o desconto como principal mecanismo para atrair o cliente para o app, mas aponta que tal costume pode se tornar um problema. "A primeira razão para estimular o usuário é o desconto, pois ajuda com a fidelização do cliente. Mas é uma 'faca de dois gumes', pois o consumidor que compra uma vez com desconto sempre vai querer promoção", disse o executivo.

Fiovarante, por sua vez, não acredita em descontos. Para o CEO do iFood, as empresas cadastradas em sua plataforma devem atrair o cliente com outras ações, como redução de preço e reputação. Questionado como um restaurante pode conseguir destacar-se dos concorrentes, o executivo da plataforma de delivery revelou que está prestes a mudar o sistema de avaliação dentro do app por notas numerais, em vez de estrelas.

Outro representante de empresa que participou do evento foi o diretor do Decolar.com, Alípio Camanzano. Ele apresentou seu serviço móvel como um "adolescente", porém mais adiantado que seus rivais no setor. O executivo afirma que tenta "negociar com os seus clientes" (hotéis, locadoras, agência de turismo etc.) promoções, para dar uma experiência de consumo diferente ao usuário final.

Deixe seu comentário