60% dos usuários brasileiros de carteira digital têm interesse em poupar e investir, diz estudo

0
12

Segundo estudo do Mercado Pago e da Trendsity, consultoria especializada em pesquisa de mercado, as carteiras digitais e soluções de pagamento não só facilitam o ingresso da população no sistema financeiro, mas também funcionam como uma porta de entrada para atrair interesse e busca de conhecimento sobre produtos e serviços financeiros. O estudo foi realizado em 5 países da América Latina: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e México.

A pesquisa revela que 80% dos entrevistados no Brasil acreditam que mais educação e informações sobre serviços financeiros digitais são necessárias e 61% afirmam que há um maior interesse neste tema a partir do uso de carteiras digitais. Além disso, 60% dos usuários brasileiros de algum tipo de carteira digital têm interesse em poupar e investir. Essa taxa cai pela metade entre aqueles que não usam carteira digital. Entre os não usuários, o principal interesse é pelos meios de pagamento, que costumam ser a porta de entrada para o sistema financeiro.

Por outro lado, a pesquisa mostra que há espaço para avanço da educação e inclusão financeira da população. Cerca de 15% dos entrevistados dizem que não consultam, nem se informam antes de utilizar ou consumir produtos e serviços financeiros. "Com base no estudo constatamos que além de atingir níveis elevados de atração de novos usuários de carteiras digitais, o Brasil é o país com maior nível de interesse em termos financeiros. Porém, apesar de ser um grande mercado, é o que apresenta menor nível de conhecimento financeiro. Ou seja, ainda há um longo caminho, uma vez que 7 a cada 10 usuários bancarizados carecem de educação financeira no Brasil e na região", analisa Gabriela Szprinc, Head de Pagamentos do Mercado Pago.

E não só no Brasil, mas em toda a América Latina, as principais fontes de consulta para aprender sobre ferramentas digitais são o boca a boca, as redes sociais e os conteúdos de internet. Os resultados apontam que existe uma grande procura por aprender sobre múltiplos aspectos financeiros, especialmente investimentos, meios de pagamento digitais e segurança.

A América Latina está alinhada ao índice global de educação financeira elaborado pela Standard & Poor's, que indica que somente 33% das pessoas, à nível global, podem resolver pelo menos 3 de 4 questões de educação financeira. Porém, considerando a população da América do Norte e Europa, mais de 50% das pessoas conseguem responder corretamente 3 das 4 perguntas sobre educação financeira e 57%, considerando titulares de contas bancárias.

Em relação às perguntas para medir o nível de educação financeira, 30% dos usuários de carteiras digitais conseguiram responder a 3 das 4 perguntas sobre educação financeira em comparação com 24% dos não usuários de carteiras. E em uma análise entre os países, fica mais evidente, principalmente no caso da Colômbia (30% vs 16%) e do México (29% vs 16%), o maior conhecimento financeiro entre os usuários de ferramentas digitais.

Esses resultados reafirmam que carteiras digitais atuam como motivadores para as pessoas entrarem no sistema financeiro e ajudam os usuários a adquirir novos conhecimentos financeiros, embora fique evidente que há um grande desafio em termos de conteúdo e ferramentas para melhorar a capacidade de tomada de decisão dos usuários da região.

Aceleração da inclusão pela pandemia

A pandemia acelerou a adesão a serviços financeiros tanto para a população quanto para os empreendedores da região. Na América Latina, 1 a cada 4 usuários começou a utilizar meios de pagamento digital a partir de março de 2020, com a adesão impulsionada por jovens e mulheres de classe média baixa. No Brasil, esse número sobe para 30%.
Além disso, 1 a cada 3 vendedores começou a usar ferramentas digitais para vender. E destes vendedores, 9 a cada 10 vendedores que passaram a usar carteiras digitais garantem que a oferta de novos meios de pagamento permitiu alcançar mais clientes durante a pandemia.

Finanças e o gap de gênero

Outro destaque foi a identificação de um gap de gênero quanto a inclusão e educação financeira. Em nenhum país da América Latina mulheres e homens têm o mesmo nível de conhecimento financeiro, mesmo quando o uso de carteiras digitais está se consolidando. O estudo mostra que 57% dos homens têm conta em banco, contra 51% das mulheres. E apenas 10% das mulheres conseguem poupar dinheiro contra 16% dos homens. No Brasil, enquanto 31% dos homens foram capazes de responder corretamente a 3 das 4 perguntas financeiras usadas no teste de conhecimento, apenas 24% das mulheres o fizeram.

Sobre o estudo realizado pela Trendsity:

O estudo foi realizado entre julho e agosto de 2021 em 5 países da América Latina: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e México, e incluiu uma abordagem metodológica integrada por fases complementares:

• 4.250 questionários online para usuários (consumidores e vendedores) e usuários e não usuários de carteiras digitais.
• 50% Homens e 50% Mulheres, de 16 a 65 anos, de níveis socioeconômicos médio-baixos.
• Os entrevistados foram separados por consumidores e vendedores.
• No Brasil, os respondentes são das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Campinas, Manaus, Goiânia, Belém, Vitória, São Luís, Natal, Maceió, João Pessoa, Florianópolis e Cuiabá.

Deixe seu comentário