Pesquisa da McKinsey estima que cerca de 80% dos colaboradores voltem ao local de trabalho até dezembro

0
59

À medida que os bloqueios da COVID-19 aumentam nos Estados Unidos e no mundo, os líderes da empresa estão considerando o desafio monumental de como reiniciar e depois administrar seus negócios, garantindo a segurança e o bem-estar de seus funcionários e, quando aplicável, dos clientes.

Para ter uma ideia das inciativas que as empresas norte-americanas estão planejando para o retorno ao trabalho, a consultoria McKinsey entrevistou 100 executivos de empresas em todo o país e em vários setores.

Esses executivos esperam que 80% de sua força de trabalho, em média, retornem ao local em setembro e 88% retornem até dezembro.  Os resultados também sugerem que, para essas empresas, trabalhar em casa não será o próximo normal para todos. Quatro em cada dez entrevistados afirmam que o trabalho remoto permanente é possível para menos de um quarto dos funcionários, enquanto dois terços dizem que nenhum funcionário de campo poderá trabalhar em casa indefinidamente.

Os executivos foram questionados sobre os seguintes quatro tipos de intervenções que correspondem com as orientações do CDC – Centro de Controle e Prevenção de Doenças: limitar o contato direto e indireto de pessoa a pessoa, identificar e isolar as pessoas potencialmente infecciosas, aumentando protocolos de higiene, e usando equipamentos de proteção individual, ou EPI. Os resultados sugerem que a maioria das empresas pesquisadas implementou, ou implementará muitas das medidas testadas na pesquisa, bem como uma série de práticas de gerenciamento de mudanças que reforçam os comportamentos que podem ajudar a manter os funcionários seguros em seus locais de trabalho. De fato, muitas empresas dos entrevistados estão aplicando medidas nas quatro intervenções. 76% dizem ter implementado ou planejado para pelo menos uma medida de cada uma das quatro categorias.

Os esforços para limitar o contato interpessoal envolveram redefinir onde o trabalho pode acontecer (por exemplo, habilitando o trabalho remoto), minimizando as oportunidades de interação e fazendo mudanças físicas nos espaços de trabalho.

Embora as mudanças físicas para limitar o contato sejam menos comuns que as políticas, a maioria dos entrevistados relata planos de mudar suas estações de trabalho, áreas de serviço de alimentação e outras infraestruturas A mudança física mais comum que as empresas dos entrevistados já fizeram foi a separação de estações de trabalho, o que 50% dos entrevistados relatam fazer e 34% adicionais dizem que planejam fazê-lo. Alterações que exigem a instalação de novas tecnologias – substituindo alças por dispositivos sem toque, por exemplo – são relatadas com menos frequência.

Das medidas que essas empresas usam ou planejam usar, a verificação da temperatura dos funcionários é a mais comum; quase três quartos dizem que suas empresas já verificam a temperatura dos funcionários ou planejam. As verificações de temperatura para os clientes são menos comuns, com 40% dos entrevistados dizendo que já realizam essas verificações ou pretendem fazê-lo. E embora os testes diagnósticos regulares sejam menos comuns que outras medidas, 35% dizem que suas empresas testam funcionários ou planejam fazê-lo.

De acordo com os entrevistados, as abordagens das empresas para rastrear contatos  (ou seja, rastrear e monitorar contatos de funcionários que deram positivo para COVID-19) não são tão consistentes. Dos 46 entrevistados cujas empresas planejam entrar em contato com rastreamento, 17 afirmam ter ou criarão uma equipe dedicada para identificar funcionários que entraram em contato com um funcionário com um caso confirmado. Dezesseis entrevistados relatam o planejamento para algum grau de rastreamento de contato dentro da empresa, mas de maneira ad hoc ou descentralizada.

Aumentando protocolos de higiene

As medidas de higiene que as empresas podem implementar para diminuir o risco de transmissão do COVID-19 incluem práticas novas ou modificadas para limpeza e desinfecção, alterações para incentivar a higiene pessoal (por exemplo, lavagem frequente das mãos) e controles de engenharia, como modificações nos sistemas de ventilação. A pesquisa se concentrou em medidas de higiene que seriam mais caras ou perturbadoras de implementar – nebulização antiviral em áreas de alta ocupação, por exemplo – em vez de mudanças mais diretas ou generalizadas , como aumento da limpeza. Dito isto, não mais de 51% dos executivos pesquisados ??relatam que suas empresas fizeram ou planejam fazer cada uma dessas mudanças, o que afetaria significativamente as operações ou exigiria novos equipamentos.

As duas medidas mais comumente relatadas são reduzir o horário de funcionamento para facilitar a limpeza e exigir quebras de higienização para os funcionários, cada uma das quais implementada por 32% dos entrevistados (Figura 7). Trinta por cento dos entrevistados relatam alterações concluídas ou planejadas nos sistemas de ventilação ou filtragem de ar, recomendadas pelo CDC.

Deixe seu comentário