TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Aplicando DevOps com Chef

Postado em: 17/06/2017, às 21:16 por Pedro Castelo Branco

O modelo tradicional de desenvolvimento de software possui duas disciplinas com objetivos distintos: desenvolvimento e operações. Enquanto a primeira possui o anseio natural por inovação, a segunda busca estabilidade. O fato é que não existe lado certo ou errado. Todos possuem um papel fundamental no ciclo de desenvolvimento de soluções. É nessa luz que surgiu o DevOps.

DevOps é um movimento que busca atender à crescente demanda por agilidade no processo de liberação ou adoção de novas versões de software através de uma profunda integração entre as disciplinas de desenvolvimento, operações e qualidade.

Empresas como Google, Netflix, Amazon, Facebook, Twitter, entre outras,  adotam DevOps como prática básica, resultando como um dos benefícios uma redução drástica da taxa de falhas, o que fundamenta um tempo de resposta otimizado em eventuais paradas.

A Amazon, por exemplo, consegue realizar uma mudança em seus sistemas a cada impressionantes 11,6 segundos, com apenas 0,001% das implementações com alguma pane. A média de falhas geradas pelas empresas que adotaram DevOps é cerca de 50 vezes menor em comparação àquelas que não usam esta prática.  Isso se traduz em uma redução de esforço e retrabalho, além de muito mais confiabilidade na implementação.

É impossível falar de DevOps sem falar do conceito de "Infraestrutura como Código", amplificado radicalmente pela imensa oferta de soluções em nuvem.  A infraestrutura como código é o processo de transformar o ambiente em código. As características mais marcantes de código são o fato de ser controlável, testável e repetível. Este procedimento dá muita segurança para empresas conseguirem replicar seu ambiente com facilidade, seja para a criação de ambientes de teste similares (Produção = User Acceptance Tests = Quality Assurance Tests = Development), ou mesmo para um bom tempo de resposta na ocorrência de um desastre. É nesse cenário que entra o Chef.

O Chef é uma plataforma de automação que ajuda empresas a aplicarem o conceito de infraestrutura como código. Seja na nuvem ou em ambiente local, o Chef permite a automatização de servidores ou mesmo estações de trabalho. Você escreve em Ruby o código que define o estado no qual um servidor, por exemplo, deve possuir. No caso de um servidor, é necessário um determinado recurso do sistema operacional habilitado, algumas aplicações instaladas e configuradas e assim por diante. É nessa hora que o Chef brilha, permitindo a execução dessas tarefas de maneira bastante intuitiva. Utilizando o Chef Developer Kit você terá à sua mão uma série de recursos que permitirão que você consiga transformar toda sua infraestrutura em código controlável, testável e repetível.

O uso de uma plataforma de automação como o Chef aliada ao ambiente de nuvem traz resultados espetaculares. Em alguns casos, é possível reduzir drasticamente o esforço de manutenção de ambientes (DEV,QAT,UAT,PRD), uma vez que o código que define estes ambientes é exatamente o mesmo, o que minimaliza eventuais surpresas decorrentes de uma eventual discrepância entre ambientes.

A estabilidade da infraestrutura permite que os clientes se concentrem em inovar no seu negócio. Amparados por um ciclo de entrega reduzido, fica mais fácil superar a concorrência e surpreender o cliente final com um serviço de muita qualidade. Se você ainda não conhecia ou praticava DevOps, talvez essa seja uma boa hora para mobilizar a sua organização para uma evolução nesse rumo. 

Pedro Castelo Branco, sênior software engineer da GFT.

RSS
Facebook
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)

Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial