Sistema B2C adaptado e ROI: o perigo para as vendas B2B

0
15

Muitos empresários ainda acreditam que dá na mesma adaptar um sistema B2C para realizar negócios B2B via e-commerce. Alguns fatores reforçam essa opção de investimento e o principal dele é o custo de implantação mais baixo, o que pode gerar um ROI mais rápido. Mas isso nem sempre é verdade, ainda mais quando falamos em otimização de processos e projeto a longo prazo.

O sistema B2C adaptado possui várias limitações, como, por exemplo, não permitir realizar uma customização real. A maioria dos sistemas trabalham com um tipo de interface específica, com ações definidas dentro do software, que não permitem exercer as funções necessárias para um bom negócio digital B2B. A única variação possível, basicamente, é a alteração do layout. Já o sistema B2B genuíno permite essa flexibilidade.

Além disso, o negócio B2B precisa de recursos específicos, como o da lista de preço e o cálculo do ICMS real, que não são fornecidos pelo sistema B2C adaptado. São eles que garantem que a indústria consiga interagir com diferentes integrantes da cadeia comercial, como distribuidores, representantes comerciais e, em alguns casos, até o público final. O sistema ainda é capaz de mostrar ao cliente uma lista clara dos impostos que estão sendo pagos, o que também vai tornar a previsão da margem de lucro mais precisa.

Outro recurso que não está presente no sistema B2C adaptado, e que é cada vez mais requisitado por empresários do segmento atacadista, é a capacidade de gerenciar muitas centrais de distribuição e, consequentemente, muitas empresas de transporte. Esse tipo de demanda necessita, além de um painel de controle especial, um sistema que realize o cálculo de frete separado para cada empresa, podendo depender da região, por exemplo.

O sistema B2C adaptado pode até parecer uma boa ideia no começo, mas essa decisão pode acabar prejudicando o seu projeto, limitando sua atuação e necessitando um novo investimento para "fazer do jeito certo".

Cristiano Chaussard, especialista em e-commerce e presidente da ABComm/SC.

Deixe seu comentário