Metade dos brasileiros confia que LGPD ajudará a proteger informações privadas, diz pesquisa

1
44

Resultados inéditos do Unisys Security Index (USI) 2020, estudo anual conduzido globalmente realizado desde 2007 sobre as preocupações com segurança do consumidor, apontam que cerca de metade dos brasileiros confiam que a Lei Geral de Proteção de Proteção de Dados (LGPD) venha a garantir um melhor sigilo de informações privadas.

Segundo a pesquisa, 55% dos brasileiros disseram estar extremamente ou muito confiantes de que a lei trará avanços requeridos para proteger seus dados mantidos por organizações públicas e privadas. O regulamento sobre proteção de dados no Brasil obriga empresas e instituições a cumprir normas de segurança para evitar roubo, vazamento e venda não autorizada de informações pessoais. Com a LGPD em vigor, o Brasil se juntará a mais de 120 países ao redor do mundo que possuem uma lei de proteção de dados parecida com o modelo europeu (GDPR).

A receptividade à nova lei revela que a regulamentação governamental atual da computação em nuvem é considerada uma questão no Brasil. Apenas 29% dos entrevistados disseram estar extremamente ou muito confiantes de que organizações públicas e privadas que possuem dados de usuários na nuvem tomem as medidas necessárias de proteção contra ameaças cibernéticas.

O USI 2020 aponta, ainda, que metade dos brasileiros (49%) está confiante de que uma identidade cidadã unificada, que use autenticação de diferentes tipos de biometria – como impressão digital, reconhecimento fácil e de íris – protegerá melhor seus dados.

Unisys Security Index

Iniciativa da Unisys Corporation, o Unisys Security Index é o mais antigo monitoramento global de segurança digital. Realizado desde 2007, o levantamento oferece uma análise estatisticamente robusta sobre a percepção de segurança dos consumidores.

Projetado numa escala que vai de zero a 300 (sendo o zero mais seguro e 300, menos), o índice é calculado a partir de uma metodologia que afere atitudes de pessoas ao longo de um dado período de tempo em relação a oito temas de segurança, divididos em quatro categorias: Segurança Nacional, também relacionado a desastres ou epidemias; Segurança Financeira, que aborda temas como fraude bancária e obrigações fiscais; Segurança da Internet, que inclui vírus/ ataques de hackers e transações online; e, por fim, Segurança Pessoal, com tópicos como roubo de identidade e informações pessoais.

O Índice de Segurança é calculado com base na média das preocupações de consumidores com a segurança nessas quatro grandes dimensões em uma escala de um a quatro, em que um é não preocupado e quatro é extremamente preocupado. Das respostas, é aferida uma pontuação média entre extremamente preocupado (300 pontos), muito preocupado (200 pontos), um pouco preocupado (100 pontos) e nada preocupado (0 ponto).

O Unisys Security Index de 2020 foi baseado em pesquisas nacionais de amostras representativas de um total de 15.699 residentes adultos de 18 a 64 anos de idade em 15 países. Foram aplicadas entrevistas online junto a grupos amostrais representativos com o mínimo de 1.000 indivíduos dos seguintes países: Austrália, Bélgica, Brasil, Chile, Colômbia, França, Alemanha, Índia, México, Holanda, Nova Zelândia, Filipinas, Singapura, Reino Unido e Estados Unidos

Durante a pesquisa, realizada entre 16 de março e 5 de abril de 2020, a pandemia de COVID-19 era predominante em todos os países analisados.

A amostra do estudo é ponderada com relação a características demográficas nacionais de adultos, como gênero, idade e região. Os índices de segurança globais são médias não ponderadas dos índices de segurança dos 15 países.

A margem de erro é de 3,1% para mais ou para menos nos resultados por país, e de 0,8% nos resultados globais. O nível de confiança da pesquisa é de 95%.

1 COMENTÁRIO

Deixe seu comentário