Atento entra com pedido de IPO nos EUA e prevê ação precificada entre US$ 19 e US$ 22

0
0

A Atento, empresa espanhola de contact center e outsourcing de processos de negócios (BPO) , controlada pelo fundo de private equity Bain Capital Partners, entrou nesta sexta-feira, 12, com pedido na Security Exchange Commission (SEC), órgão regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos, para uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A solicitação foi feita por meio do formulário F-1, que configura o registro inicial para se tornar uma empresa de capital aberto.

De acordo com o documento, a Atento pretende vender 14,6 milhões de ações e espera que a oferta seja precificada entre US$ 19 e US$ 22 por ação, avaliando a companhia em até US$ 1,6 bilhão. A empresa, no entanto, não revela o quanto estima levantar com a abertura de capital.

As ações da empresa serão listadas na Bolsa de Nova York (NYSE), sob o símbolo "ATTO". Os papéis serão ofertados tanto pela Atento quanto por um de seus acionistas, a Atalaya Luxco Pikco S.C.A. (o "Acionista Vendedor"), entidade afiliada à Bain Capital, que pretende conceder aos bancos subscritores uma opção de 30 dias para comprar até 2.193.750 ações adicionais.

Segundo a Atento, os recursos recebidos com a venda de ações serão utilizados para pagar dívidas, despesas relacionadas à oferta e o restante será destinado para fins corporativos gerais.

O Morgan Stanley, a Credit Suisse Securities (USA) e a Itau BBA USA Securities atuarão como "joint book-running managers" (gerentes conjuntos de subscrição) da oferta. O Merrill Lynch, a Pierce, Fenner & Smith Incorporated, o Bradesco, o BTG Pactual — filial das Ilhas Cayman —, o Goldman Sachs, o Santander Investment Securities e a Robert W. Baird Incorporated serão os coordenadores do IPO, enquanto o BBVA Securities será o cogerente da oferta.

A Bain Capital comprou a Atento da Telefónica em 2012, por cerca de 1 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão), incluindo as dívidas. A Atento, que oferece também serviços de suporte técnico, back office e outros tipos de suporte, tem cerca de 153 mil funcionários, com cerca da metade deles no Brasil. A companhia foi formada em 1999 como uma cisão do negócio de call center da Telefónica na Espanha, Peru e Chile.

Deixe seu comentário