Para o Gartner, data center está com os dias contados

0
0

No passado, quando as equipes de negócios solicitavam novas aplicações ou serviços, as organizações de TI primeiro se perguntavam: "Como podemos construí-lo?". Agora, a pergunta é "Onde podemos encontrá-lo?". Nesse cenário, o Gartner prevê que, até 2025, 80% das empresas desligarão os data centers tradicionais. Analistas indicam que, de fato, 10% delas já desativaram seus centros de dados.

Muitas corporações estão repensando o posicionamento de aplicações, com base na latência da rede, na quantidade de clusters por clientes e limitações geopolíticas – por exemplo, o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia, além de outras restrições regulatórias, como a futura Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entrará em vigor ainda este ano no Brasil.

As empresas com data centers mais antigos não desejam reconstruí-los ou criar novas estruturas desse tipo, sobretudo por conta dos altos custos. Eles preferem que outra pessoa gerencie a infraestrutura física. Os dados das principais métricas de Tecnologia 2019 do Gartner mostram que a porcentagem do orçamento de TI direcionado aos Data Centers diminuiu nos últimos anos e, agora, representa apenas 17% do total.

O serviço de Colocation é frequentemente utilizado como substituto dos Data Centers tradicionais porque oferece maior disponibilidade, confiabilidade, níveis certificados de camada de construção, eficiência energética, gerenciamento de instalações dedicadas e capacidade de escala.

O que permanece no local são processos de negócios que são essenciais para a missão das empresas e que exigem maior supervisão e níveis de controle mais detalhados do que os disponíveis por meio de infraestrutura em Nuvem e modelos hospedados.

Deixe seu comentário