Maioria das empresas pretende implementar mudanças organizacionais em 2020

0
34

A crise provocada pelo COVID-19 e o subsequente sentimento generalizado de incerteza estão acelerando as mudanças na forma como as organizações ao redor do mundo estão trabalhando e continuarão a trabalhar no futuro. A digitalização cada vez maior da economia, a necessidade de modernização e de outras soluções de negócio têm incentivado a inovação nas empresas, que passaram a rever e a diversificar suas ofertas de produtos e serviços.

Pesquisa da Mercer, líder global de consultoria em carreira, saúde, previdência e investimentos, realizada em julho de 2020 com 134 empresas de diferentes setores econômicos no Brasil, revela que 77% delas se sentem muito impelidas a efetuar transformações, tanto na estrutura da organização quanto na forma como as pessoas trabalham. As áreas mais impactadas por essas transformações são, pela ordem, TI, Administração, Comercial e Recursos Humanos. Por outro lado, o gerenciamento dessa transformação está sob a responsabilidade do próprio RH na maioria das empresas (76%), seguido pela Presidência, em 64%.

Para levar a cabo todas as mudanças, a pesquisa indica que as empresas estão usando um arsenal de recursos. Entre eles estão a implementação de novas métricas (7%) e de novos modelos de planejamento da força de trabalho (39%), além do assessoramento por consultorias especializadas (42%).

O RH na linha de frente

O estudo aponta ainda os principais desafios da área de RH em virtude do cenário causado pela pandemia do novo Coronavírus. Em primeiro lugar vem a necessidade de aumentar a frequência e a transparência da comunicação com os colaboradores, seguida da exigência de automatizar processos e de redesenhar processos para torná-los mais virtuais. Em quarto lugar aparece a necessidade de, cada vez mais, ser capaz de utilizar a análise de dados sobre a força de trabalho para poder dar suporte às decisões de negócios.

Respostas ao COVID serão permanentes

Ainda de acordo com a pesquisa, algumas respostas ao COVID-19 implementadas pelas empresas devem se tornar permanentes nas práticas de trabalho.

Para o líder de negócios de Career da Mercer Brasil, Antonio Salvador, as transformações organizacionais são imprescindíveis tanto para a adaptação ao novo contexto econômico, quanto para impulsionar as mudanças que serão necessárias para a sobrevivência das empresas. "De acordo com o World Economic Forum, mais de 20% dos empregos atuais deixarão de existir nos próximos anos. Além disso, cerca de 60% das empresas estão planejando a automatização crescente do trabalho. E cerca de 79% dos executivos acreditam que os trabalhadores temporários substituirão substancialmente o emprego de tempo integral até 2024. Essas tendências, que foram aceleradas pela pandemia no primeiro semestre deste ano, indicam que as empresas estão revisando seu tamanho, sua forma e também o conjunto de habilidades requeridas de seus empregados".

De acordo com Salvador, a necessidade de transformação surge em diferentes momentos de vida das organizações. "Independentemente da situação que a empresa estiver atravessando, seja uma startup, seja uma companhia madura ou uma organização em momento de declínio, o importante é que a liderança saia do medo que imobiliza e encare o momento como uma oportunidade de realinhamento e de ganho de eficiência. A mudança, no mundo organizacional, é um fato constante e precisa ser encarada de forma positiva", finaliza o consultor.

 

 

Deixe seu comentário