Planejamento é essencial na migração para nuvem, diz especialista

0
19

Post content – O mais importante para uma empresa iniciar sua jornada para adoção de nuvem é realizar um adequado planejamento, onde todos os elementos que compõe os custos sejam avaliados de forma aprofundada. "Não é só tirar uma foto de momento do ambiente para fazer uma avaliação do custo, mas sim analisá-lo durante um período, como um filme, para que se tenha uma visão correta de como ele vai evoluir no correr do tempo", explica Ademir Tavares, technology services regional lead da SoftwareONE.

As pesquisas mostram que migrar para a nuvem é um desafio para empresas que desejam obter eficiência e controlar os desperdícios, motivo pelo qual a SoftwareONE oferece a solução PyraCloud, uma plataforma que faz avaliação de todos os itens de infraestrutura e comunicação, contratos de licenciamento de softwares do cliente, um verdadeiro "raio X", um relatório onde são contabilizados todos os itens para compor qual modelo ideal de nuvem a ser adotado.

Tavares diz que para se criar um "business case" de sucesso, é preciso entender os motivadores de negócios da empresa, pois não é só uma decisão da área de TI, mas deve envolver a empresa inteira.

"Em um projeto de migração de on premisses para nuvem que participamos, o cliente reuniu todas as áreas de companhia – faturamento, marketing, recursos humanos, inovação, etc – para conhecerem a proposta. A questão levantada foi se a nuvem iria resolver o problema de lentidão no pico de faturamento do fim do mês, onde muitos caminhões ficavam parados esperando a emissão da nota fiscal",  exemplificou Tavares, acrescentando que essa situação é um caso clássico, que por si só se justifica pela economia de custos e agilidade dos negócios.

Otimização de custos

Para otimização dos custos de migração para nuvem, as empresas devem observar 4 princípios básicos:

Desempenho – é necessário rodar as aplicações por 30 dias, pelo menos, para se avalia se precisa mais ou menos máquina, a fim de garantir o máximo de desempenho com escalabilidade.

Confiabilidade – tem que se evitar falhas das aplicações para não haver reclamações das áreas de negócios, e mesmo quando elas ocorrem, deve haver uma rápida recuperação.

Segurança – a plataforma tem de proteger as informações, revisando definições de compliance e melhores práticas. As provedoras de nuvem como AWS e Azure tem compliance de segurança nas plataformas, pois já trabalham de acordo com as normas europeias GDPR, mas o cliente também tem de ter responsabilidade compartilhada, manter integro os dados que rodam na nuvem.

Nesse quesito, a SoftwareONE tem ferramentas de security maturity acess, tendo criado o security run book, que reúne as melhores práticas de segurança em ambiente cloud; além de manter um SOC para monitorar o ambiente dos clientes.

Tavares explica que isso é muito relevante, pois no período da Covid as empresas tiveram que migrar para nuvem e abriram mão de protocolos de segurança, provocando uma enxurrada de ataques, com pontos críticos que precisaram de rápida resolução.

Otimização de custos – é preciso dimensionar o ambiente com menor preço possível, levando em consideração demandas variáveis.

Como o modelo de contratação vai mudar de Capex para Opex, a empresa tem que preparar seu budget para isso, levando ainda em conta, que em determinado momento da migração de on premisses para nuvem haverá custo duplicado, além de despesa de encerramento de contratos com provedores de software, telecom, etc. e treinamento da equipe. Nesse caso, "o PyraCloud faz o monitoramento para prever essa medição e controle para migração, como estão os contratos de licenciamento de todos os fabricantes num único portal. Pode inclusive detectar uma licença de software numa máquina que não está sendo usada, e transferi-la para outro usuário, por exemplo", destaca Tavares.

O modelo de uso pode ser on demand, onde o cliente paga só pelo que usar; instância reservada, que pode chegar a uma economia de 75% em relação ao on demand; e spot, quando a demanda não é crítica, que pode significar uma redução de 90%. Mas para cada opção, é necessária uma avaliação criteriosa.

Também ressaltou a necessidade de dimensionamento e forma de armazenamento na nuvem, que vão influenciar nos custos. Por se ter o back up padrão que permite acesso aos dados em real time; ou "relativamente on line"; e armazenamento "frio", onde acesso pode esperar, quando não é crítico.

Deixe seu comentário