AlmavivA do Brasil fecha semestre com lucro operacional de R$ 43,8 milhões e Ebitda de R$ 62,7 milhões

0
0

A AlmavivA do Brasil, terceira maior empresa de serviços de contact center e trade marketing do país, fechou o primeiro semestre do ano com lucro operacional (Ebit) de R$ 43,8 milhões, o que representa um aumento de 24,7% na comparação com os R$ 35,1 milhões contabilizados um ano antes.

No período, a empresa registrou aumento na receita bruta de 13,5%, passando de R$ 444 milhões entre janeiro e junho de 2015 para R$ 504,2 milhões no mesmo período deste ano. A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) saltou de R$ 51,6 milhões para R$ 62,7 milhões, variação positiva de 21,6%.

Segundo o informe de resultados, nos primeiros seis meses do ano, a AlmavivA ainda elevou o seu quadro de funcionários com a contratação de 3.054 novos colaboradores, chegando a 34 mil profissionais nas oito cidades nas quais possui operações no País. "Aumentar os resultados e gerar postos de trabalho, com a atual conjuntura econômica, são grandes desafios. Estamos muito satisfeitos com os indicadores e com todo o nosso time, que contribui diariamente para estes resultados", comemora Francesco Renzetti, CEO da AlmavivA do Brasil.

Com crescimento por anos consecutivos, a empresa planeja a abertura de uma nova central no primeiro semestre de 2017.  Com investimento total de R$ 40 milhões, a nova operação deve gerar aproximadamente 4,5 mil empregos diretos, em sua maioria jovens que buscam o primeiro emprego, além de movimentar a economia local.

"Enxergamos muitas oportunidades e continuaremos apostando no mercado brasileiro. Estamos felizes e ansiosos para a inauguração da nova central. O início das obras está previsto para fevereiro do ano que vem e o término entre maio e junho", diz Renzetti.

Para este ano, a AlmavivA do Brasil projeta crescimento na receita bruta no percentual próximo ao obtido no primeiro semestre, que registrou 13,5%, e investirá R$ 40 milhões na operação brasileira — deste total, cerca de 80% em tecnologia alinhada com futuras tendências do setor de contact center.

Deixe seu comentário