São Paulo é a 19ª cidade mais atraente para empreendedoras no mundo, revela estudo

0
0

A Dell anunciou durante o evento Global Entrepreneurship Summit, realizado na Casa Branca, as descobertas de um estudo, batizado de 2016 Women Entrepreneur Cities Index (Índice das Cidades para Mulheres Empreendedoras), sobre as 25 localidades mundiais com mais alto potencial para empreendedorismo feminino. Da América Latina, foram citadas apenas duas cidades: São Paulo, na 19ª colocação, e Cidade do México, no 18º lugar.

O estudo destaca que o acesso a capital para investimento representa um desafio para empresárias de São Paulo. No entanto, a cidade aparece em 3º lugar no quesito de Atitudes e Expectativas que favorecem mulheres empreendedoras e se destaca também pela Cultura – que engloba rede de contatos, mentalidade, expectativas e políticas de não-discriminação –, na 10ª posição global.

O índice Women Entrepeneur Cities Index (WE Cities) é o único levantamento global voltado a analisar as habilidades que as cidades têm para atrair e promover o crescimento de empresas fundadas por mulheres. O que inclui o impacto de políticas e programas locais, além de leis e costumes dos países.

"A inovação e a geração de empregos por mulheres empreendedoras são fundamentais para uma economia global próspera, no entanto, o estudo WE Cities mostra que algumas cidades e países estão fazendo muito mais do que outros para incentivar e apoiar esse importante subconjunto da comunidade de startups", disse Karen Quintos, vice-presidente sênior e diretora de Marketing da Dell. "O índice fornece insights para avançar o diálogo com os legisladores e líderes municipais, para conscientização para a ação e, por sua vez, capacitar as mulheres empreendedoras para terem mais impacto econômico no mundo."

Classificação e Metodologia

O estudo analisou cinco características principais: capital, tecnologia, talento, cultura e mercado. Estes pilares foram organizados em dois grupos: ambiente operacional e ambiente facilitador. A avaliação geral tem 70 indicadores e, desses, 44 têm um componente baseado em gênero. Os indicadores individuais foram ponderados com base em quatro critérios:  relevância; qualidade dos dados subjacente; exclusividade no índice e gênero.

Segue abaixo a lista completa das cidades mais empreendedoras do ranking Women Entrepreneur Cities Index:

empreededorismo

Destaques do Índice

A cidade de Nova York ocupa a posição nº 1 no ranking global entre as 25 cidades por sua capacidade de atrair e apoiar mulheres empreendedoras de alto potencial, com a primeira posição para ambiente operacional e quinta para ambiente facilitador. Embora Nova York esteja em 1º para Mercado e Capital, ela foi classificada em 2º em cultura e 4º em talento. A cidade encabeça a lista por seu desempenho em políticas que possibilitam acesso aos mercados. Também é a 2ª para valor de frequência e valor de financiamento para empresas com mulheres empreendedoras.

A Área da Baía de São Francisco (que consiste das áreas metropolitanas de San Francisco e San Jose) ocupa o 2º lugar no geral, ocupando a 2ª posição para ambiente operacional e a 6ª para Ambiente Facilitador. Ela ocupa o 1º lugar para Talento e 2º para capital e mercados, e o 1º lugar do ranking para acesso a mercados, valor de frequência e de financiamento para empresas fundadas e lideradas por mulheres.

Londres ocupa a 3º posição no geral, ficando em segundo para acesso a mercados, e em terceiro lugar para ambiente operacional e de capital.

Estocolmo e Cingapura completam as cinco primeiras posições no ranking geral. Estocolmo é primeira cidade em ambiente facilitador e também no ranking de tecnologia e a nona cidade para cultura. Cingapura realiza-se no terço superior das 25 cidades classificadas considerando talento, cultura e tecnologia.

Pesquisa Global: melhores cidades para a mulher empreender

A Dell firmou parceria com o IHS – líder em pesquisa e análise de negócios – para apresentar a pesquisa global inédita voltada a medir a capacidade de uma cidade para atrair e suportar mulheres empreendedoras com alto potencial. O estudo é liderado pelo Dr. David Ricketts, do Centro de Empreendedorismo e Tecnologia de Harvard, que contou com a participação de 40 líderes globais, incluindo empresárias, acadêmicas e profissionais de mídia, para desenvolver insights para o modelo.

As principais conclusões indicam:

Acesso a capital ainda é o principal desafio que as mulheres empreendedoras enfrentam, embora os números mostrem ligeira melhoria.

Criar ecossistemas robustos com incubadoras, aceleradores e mentores faz uma grande diferença na hora de empreender.

As normas culturais e suas implicações políticas afetam seriamente o empreendedorismo feminino, desde a licença parental a regulamentos sobre diversidade no fornecimento de financiamento educacional tem forte impacto.

As descobertas do Índice WE Cities serão usadas como um ponto de partida para o diálogo durante a sétima edição do Dell Women's Entrepreneur Network Summit (DWEN Summit) – conferência global da companhia para mulheres empreendedoras e voltada a compartilhar experiências, oportunidades e discutir o papel do empreendedorismo feminino. O tema central para o evento deste ano será "Inovando por um Mundo Pronto para o Futuro".

"As mulheres empreendedoras são a melhor aposta do país para o crescimento econômico", disse Elizabeth Gore, Entrepreneur-in-Residence, na Dell. "É hora de as mulheres estarem politicamente engajadas para garantir que os ecossistemas certos sejam implementados, para elas crescerem. Se políticos e empresários formarem parcerias, políticas dinâmicas podem ser postas em prática para fechar o círculo e melhorar o processo da ideia até a empresa. O Índice WE Cities pode ser usado como uma ferramenta de diagnóstico para ajudar a garantir que os legisladores estejam atentos às suas necessidades."

1776 e Dell anunciam a Startup Federation

Para ajudar os empreendedores nas cidades e economias que não podem fornecer recursos adequados para as empresas crescerem, a Dell fez uma parceria com a 1776 para lançar uma plataforma de startup internacional, a Union – destinada a permitir apoiar milhares de futuros empreendedores, conectando e eliminando os obstáculos para os empreendedores, independentemente da sua localização.

Acessível por meio da Startup Federation — uma rede mundial de mega-hubs e campi de startup — ou virtualmente para empreendedores em áreas remotas, a Union irá proporcionar aos empreendedores em todo o mundo a capacidade de alcançar as pessoas, os recursos e a educação de que precisam para colocar suas ideias em prática. Concebida pela equipe de engenheiros da 1776 e auxiliada por insights de incubadoras, aceleradores, especialistas e hubs ao redor do mundo, a plataforma permite que empreendedores: encontrem conteúdo e cursos sobre criação de negócios; aproveitem os conselhos de orientadores de elite em suas indústrias; consultem especialistas sobre habilidades como marketing, vendas, engenharia e recursos humanos; conectem-se com possíveis investidores, clientes e parceiros de negócios.

"O índice WE Cities da Dell prova que milhões de empreendedoras são prejudicadas pelas condições em suas economias e políticas locais", disse Donna Harris, co-fundadora e co-CEO da 1776. "As empreendedoras devem ser livres para viver onde quiserem e ter acesso aos mesmos recursos incríveis. Nossa plataforma Union transforma essa ideia em realidade".

Deixe seu comentário