Publicidade
Início Notícias Gestão Scala, do Grupo Stefanini, cria Conselho de Analytics em parceria com a...

Scala, do Grupo Stefanini, cria Conselho de Analytics em parceria com a EBDI

0
Publicidade

Pensando na importância de fomentar o debate sobre o papel do Augmented Anaytics nos ambientes corporativos, seja para definir o produto mais assertivo, melhorar a experiência do cliente por meio de um atendimento personalizado ou implementar a melhor estratégia de negócios, a Scala, empresa do Grupo Stefanini, lançou, em parceria com a EBDI, um Conselho de Analytics, com a participação de executivos de diversas indústrias. A ideia é que seja um fórum de debates para compartilhar experiências, apresentar casos de uso e tendências, além de produzir conhecimento para ser compartilhado com o mercado.

O resultados dos primeiros encontros está consolidado neste e-book, que mostra de maneira clara e objetiva a importância de Analytics nas empresas e na vida de qualquer cidadão. O advento dos algoritmos, programas de computador que utilizam regras extraídas de análises avançadas de dados e Machine Learning, associado ao poder de processamento e armazenamento das plataformas de Big Data, permitem que as empresas tirem proveito da quantidade e variedade de dados que possuem em seus sistemas e, também, das informações disponíveis em outras empresas, plataformas e Internet.

De acordo com Devanyr Gonzaga de Aquino, head de Analytics e CRM do Next e que assina o primeiro artigo do e-book, o mercado está mais maduro para entender que as soluções de Analytics não estão apenas ligadas à área de tecnologia, mas também à estrutura de negócios. “No futuro não haverá empresa de sucesso sem investimentos em dados”, destaca o executivo.

Para Devanyr, as decisões automatizadas são uma grande tendência. Os algoritmos assumirão, cada vez mais, papeis fundamentais nas corporações. Um deles é a tomada de decisão sobre o que recomendar para os clientes – melhor produto, melhor momento e tipo de abordagem. “Muitas decisões simples podem, no início, ficar fora deste contexto analítico e do uso de algoritmos, considerando o investimento a ser realizado, mas será necessário, paulatinamente, embarcar grande parte da empresa nesta jornada da decisão orientada a dados”, ressalta.

O gerente sênior de Engenharia, Governança e Qualidade de Dados do Bradesco, Igor Valentim, acredita que o conselho foi uma grande oportunidade para reunir profissionais que trabalham com dados em diferentes indústrias e que, de maneira colaborativa, montaram cenários de discussões sobre sua usabilidade no dia a dia. “Independentemente da indústria, os desafios de dados são similares e fazem com que a gente consiga aprender com a experiência do próximo.”

Para Luciane Klein, VP de Marketing e Produtos da EBDI, os encontros promovidos pelo conselho aproximam as soluções de vários setores industriais. “Esse benchmarking abre as portas de sua empresa para enxergar o que o outro está fazendo. Dessa forma, você economiza tempo e energia nos processos de tentativa e erro, que muitas vezes demandam anos”, explica.

Atualmente, existem vários fóruns de discussão de tecnologia, mas quase nada específico em Analytics, na visão de Danielle Franklin, diretora comercial da Scala. Esse foi um dos motivos que motivaram a Scala, juntamente com a EBDI, a lançar o conselho, já que a tecnologia será uma grande tendência nos próximos anos.

Segundo o Gartner, até 2023, mais de 33% das grandes empresas terão analistas praticando inteligência de decisão (Decision Inteligence), que reúne várias disciplinas, incluindo gerenciamento e suporte à tomada de decisões. Ela fornece uma estrutura para ajudar os líderes de Data & Analytics a projetar, modelar, alinhar, executar, monitorar e ajustar modelos e processos de decisão no contexto de resultados e comportamento dos negócios.

A consultoria também prevê que 35% das grandes companhias serão, até 2022, vendedoras ou compradoras de dados via mercado formal de dados on-line, contra 25% em 2020. Os mercados e as trocas de dados fornecem plataformas únicas para consolidar ofertas de registros de terceiros e reduzir custos para fontes de terceiros. “O mundo data-driven é um caminho sem volta”, complementa Danielle Franklin.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile